Notícias

Voltar

Programe-se: exposições em destaque em SP

O primeiro final de semana de novembro vem acompanhado do feriado de Finados (2/11), na sexta-feira, o que garante uma ótima chance para quem quer visitar as principais exposições que acontecem em São Paulo!

O feriado também pode servir para quem quer colocar os estudos em dia, porque vai só até o dia 8 de novembro as inscrições para curadores brasileiros ou estrangeiros - residentes no Brasil há, pelo menos, cinco anos - participarem de um processo seletivo para o desenvolvimento de projeto de pesquisa e práticas curatoriais na GRI – Getty Research Institute (Los Angeles, EUA), instituição parceira da ABACT - Associação Brasileira de Arte Contemporânea. As inscrições são gratuitas.

Já para quem quer aproveitar os dias de tempo mais quente e sair de casa, o Parque Ibirapuera é um dos locais em destaque para os próximos dias. Além de garantir um passeio agradável por entre as árvores e lagos, o parque abriga algumas das instituições de arte mais importantes da cidade, entre elas Fundação Bienal, Museu Afro Brasil e MAM.

Para te ajudar na decisão, o InfoArtSP selecionou algumas das principais exposições que acontecem na cidade, que incluem arte contemporânea, renascentista, escultura e fotografia - e muito mais! Para conferir as exposições em destaque nas últimas semanas, é só ficar de olho nas nossas redes sociais e acompanhar as agendas preparadas especialmente para você aproveitar ao máximo a salada cultural paulistana.

Confira a seguir a agenda para o feriado e não se esqueça de compartilhar com quem você gostaria de convidar para o passeio!

EM CARTAZ
LASAR SEGALL: ENSAIO SOBRE A COR
ARTISTAS: LASAR SEGALL
CURADORIA: MARIA ALICE MILLIET
ATÉ 5/3
SESC 24 DE MAIO

A exposição, realizada em parceria com o Museu Lasar Segall, oferece ao público a oportunidade de conhecer um raro e amplo conjunto de trabalhos do artista, com obras - 87 pinturas e seis desenhos, além de fotografias e documentos - provenientes de coleções particulares e de grandes instituições, como Pinacoteca do Estado de São Paulo, MASP, Instituto de Estudos Brasileiros (USP), Fundação Edson Queiroz e Fundação José e Paulina Nemirovsky. A mostra é dividia em quatro núcleos que reúnem obras produzidas em determinados períodos e que abordam temas como os flagelos migratórios, os horrores da II Guerra e o mergulho de Segall no modernismo brasileiro - além de um conjunto de obras do período em que se refugiou nas montanhas de Campos do Jordão. Obras de outros artistas - como Cândido Portinari e Tarsila do Amaral - integram a mostra com o intuito de estabelecer um diálogo com a obra do lituano naturalizado brasileiro. Saiba mais.

Lasar Segall, Desenho Original do Caderno Visões de Guerra, 1940-43. Tinta preta pena sépia aguada e guache branco sobre papel, 15,5 x 19,5cm. Coleção Museu Lasar Segall – IBRAM-MinC. Foto: Sérgio Guerini.

RAFAEL E A DEFINIÇÃO DA BELEZA - DA DIVINA PROPORÇÃO À GRAÇA
ARTISTAS: RAFAEL E OUTROS
CURADORIA: ELISA BYINGTON
ATÉ 16/12
CENTRO CULTURAL FIESP

A obra de Rafael, o mais jovem da tríade formada também por Leonardo da Vinci e Michelangelo, se inspira tanto na Antiguidade Clássica quanto na natureza, materializando-se como síntese de elegância e naturalidade. Na exposição que antecipa às celebrações que marcam os 500 anos de morte de Rafael de Urbino (1483-1520), estão expostas obras de grandes mestres do Renascimento de diversas coleções italianas e do próprio artista, considerado o maior e mais perfeito representante da Idade de Ouro do Renascimento - os primeiros anos do século XVI que abarcam um dos mais ricos e importantes períodos da história da arte ocidental. Saiba mais.

Leda e o Cisne, c. 1550. Buril, p&b, 31,0 x 41,5 cm, Fundação Biblioteca Nacional.

AI WEIWEI RAÍZ
ARTISTA: AI WEIWEI
CURADORIA: MARCELLO DANTAS
ATÉ 20/1
OCA - PARQUE DO IBIRAPUERA

A Oca, prédio de Oscar Niemeyer no Parque Ibirapuera, recebe a primeira mostra do artista plástico Ai Weiwei no Brasil - e também a maior exposição individual já realizada pelo artista. A mostra apresenta a história deste brilhante artista - que teve sua primeira exposição aos 41 anos de idade - por meio de seus mais icônicos trabalhos, além de obras inéditas, criadas da imersão profunda do chinês pelo Brasil, suas culturas e tradições. Temas caros ao artista, como a crise mundial de imigração - que rendeu, além de obras, um documentário produzido por Weiwei -, estão presentes em inúmeras obras que ocupam a Oca até janeiro. Saiba mais.

Detalhe de um dos papéis de parede de Ai Weiwei que integram a mostra. Foto: Tauã Miranda / InfoArtSP.

33ª BIENAL DE SÃO PAULO - AFINIDADES AFETIVAS
ARTISTAS: VÁRIOS
CURADORIA: GABRIEL PÉREZ-BARREIRO E OUTROS
ATÉ 9/12
FUNDAÇÃO BIENAL DE SÃO PAULO

A 33ª Bienal de São Paulo vai privilegiar questões sobre a atenção, a experiência individual do espectador e dos artistas participantes. Nesta edição a bienal apresenta um modelo alternativo ao de temática única, trazendo doze projetos individuais selecionados pelo curador-geral e sete mostras coletivas organizadas pelos artistas-curadores convidados Alejandro Cesarco, Antonio Ballester Moreno, Claudia Fontes, Mamma Andersson, Sofia Borges, Waltercio Caldas e Wura-Natasha Ogunji. O título não pretende direcionar a exposição tematicamente, mas caracteriza sua organização a partir de afinidades artísticas e culturais entre os envolvidos. Presença e atenção são as premissas dessa edição, numa reação a um mundo de verdades prontas, no qual a fragmentação da informação e a dificuldade de concentração levam à alienação e à passividade. Saiba mais.

A Bienal vai até dezembro, com entrada gratuita, no Prédio da Fundação Bienal, no Parque Ibirapuera. Foto: InfoArtSP.

HIORLANDO
ARTISTAS: JOÃO "HIORLANDO" PEREIRA MARQUES
CURADORIA: PAULA PORTA
ATÉ 31/12
MUSEU AFRO-BRASIL

Hiorlando é o nome adotado pelo artista maranhense João Pereira Marques, que começou a esculpir quando um acidente o afastou do trabalho de estivador marítimo e acabou permitindo que seu talento artístico se desenvolvesse. Na mostra, o artista apresenta ao público esculturas em madeira feitas com galhos do cajueiro, tamboril e cedro, e dividias em três categorias: bichos da água, do seco e do imaginário - um passeio ideal para o público infantil se encantar e incrementar seu universo criativo. Saiba mais.

Foto: Divulgação.

MILLÔR: OBRA GRÁFICA
ARTISTAS: MILLÔR FERNANDES
CURADORIA: CÁSSIO LOREDANO, JULIA KOVENSKY E PAULO ROBERTO PIRES
ATÉ 27/1
INSTITUTO MOREIRA SALLES PAULISTA

O IMS exibe a primeira retrospectiva dedicada aos desenhos do humorista, dramaturgo e tradutor Millôr Fernandes - que tem o seu acervo, com mais de seis mil desenhos, sob a guarda do IMS desde 2013. A mostra divide em cinco grandes conjuntos a obra gráfica de Millôr, dos autorretratos à crítica implacável da vida brasileira, passando pelas relações humanas, o prazer de desenhar e a imensa e importante produção do “Pif-Paf”, seção que manteve na revista O Cruzeiro entre 1945 e 1963. Na mostra os curadores mapeiam os principais temas que estiveram presentes ao longo de 70 anos de produção do artista a partir de 500 originais. Saiba mais.

Millôr Fernandes, Desenho, 1974. Nanquim, crayon, aquarela e ecoline sobre cartão, 26,5 x 39 cm. Acervo Millôr Fernandes / Instituto Moreira Salles.

REGINA VATER
ARTISTA: REGINA VATER
ATÉ 19/1
GALERIA JAQUELINE MARTINS

A mostra apresenta cerca de 50 obras da artista intermídia - entre fotografias, vídeos e instalações fundamentais da trajetória da artista - que evidenciam a sua incontestável atitude pioneira ao explorar as relações entre sociedade, natureza e tecnologia. Ao longo da pesquisa da artista sempre estiveram presentes exercícios sobre temas abrangentes, como o tempo, e sua relação com mitos indígenas, e também questões urgentes e pontuais vistas através da lente do feminismo e a posição social da mulher - levando com que toda a obra de Vater se localize em um espaço fronteiriço entre a ação política e a criação artística. Saiba mais.

Regina Vater, In the Uterus, 1967. Guache sobre papel, 30 x 40 cm. Foto: Divulgação.

ÚLTIMOS DIAS
GERMAN LORCA: MOSAICO DO TEMPO, 70 ANOS DE FOTOGRAFIA

ARTISTAS: GERMAN LORCA
CURADORIA: RUBENS FERNANDES JUNIOR
ATÉ 4/11
ITAÚ CULTURAL

A mostra exibe mais de 150 imagens, além de séries e ensaios fotográficos, projeções, objetos e premiações de German Lorca. O fotógrafo, que hoje tem 96 anos e conta sete décadas de carreira profissional, continua clicando tudo o que lhe desperta o olhar, como a paisagem urbana de São Paulo, que registrou por mais de meio século. Assim, a linha curatorial organiza esta retrospectiva de modo a condensar a larga e rica vivência de Lorca. Para os curadores da exposição, suas fotografias expressam de modo exemplar toda a experiência do período modernista e chegam aos dias de hoje com o mesmo frescor que o aproximam de algumas manifestações e de alguns procedimentos da arte contemporânea. Saiba mais.

Anhangabaú, 1954. Foto: German Lorca / Divulgação.

AI-5 50 ANOS – AINDA NÃO TERMINOU DE ACABAR
ARTISTAS: VÁRIOS
CURADORIA: PAULO MIYADA
ATÉ 4/11
INSTITUTO TOMIE OHTAKE

A mostra busca discutir os custos da retirada de direitos democráticos para o imaginário cultural do País, em resposta aos 50 anos do Ato Institucional No. 5, marco do agravamento do totalitarismo da ditadura civil-militar brasileira (1964-1985). A pesquisa tem como núcleo a produção de artes visuais do período, com obras, ideias e iniciativas que nasceram em tensão com a interdição da própria opinião política, que chegou a ser virtualmente criminalizada pelas práticas de censura e repressão. Em alguns casos, as obras reunidas foram proibidas, destruídas ou subsistiram ocultas; em outros, sua circulação foi seriamente contida e seus modos de expressão passaram por codificações e táticas de resistência. A exposição ainda apresenta ao público uma série de textos e documentos históricos de contextualização. Saiba mais.

Queda do motociclista da Força Aérea do Brasil, 1965. Foto: Evandro Teixeira / Divulgação.

ESQUIZOFRENIA DA FORMA E DO ÊXTASE - MILLAN
ARTISTAS: NELSON FÉLIX
ATÉ 10/11
GALERIA MILLAN

A galeria recebe uma das três exposições simultâneas (e de mesmo nome), do artista Nelson Felix em seu espaço. Por lá estão reunidos quatro conjuntos de desenhos e uma escultura que refletem as ações do quarto trabalho da série Método poético para descontrole de localidade, iniciada pelo artista em 1984. Os trabalhos expostos nos três locais (Galeria Reocupa33a Bienal de São Paulo e Millan) conversam entre si. Saiba mais.

Simultaneamente à mostra de Nelson Félix, A Galeria Millan apresenta "Todos os olhos", do artista José Bento. Foto: Divulgação.

Para saber mais sobre essas e outras exposições em cartaz na capital paulista, confira a agenda do InfoArtSP.