Notícias

Voltar

Programe-se: 10 exposições para visitar em SP

Às vésperas de um feriado - prolongado para estudantes e professores, devido ao Dia do Professor, no dia 15 -, o InfoArtSP selecionou 10 exposições para aproveitar os dias livres e conhecer. Destaque para a fotografia, com três excelentes exposições em cartaz na cidade, e para a arte contemporânea, representada por artistas jovens e outros já consagrados. 

Quem ainda não visitou a mostra "Histórias Afro-Atlânticas" tem só até o próximo dia 21/10 para visitá-la. Mas, devido ao seu sucesso, o MASP alterou seus horários de funcionamento para melhor atender o público em outubro, acrescentando mais um dia de entrada gratuita! As terças, que já são gratuitas, terão horário estendido até as 20h; e às quartas o museu também será aberto ao público gratuitamente, no horário regular, das 10h às 18h. Às quintas, quando o museu funcionava até as 20h, o horário passa a ser das 10h às 18h.

Aproveite os dias livres para se atualizar sobre o circuito de artes paulistano. Confira, programe-se e bom passeio!

EM CARTAZ
ARTE ATUAL 2018 - PROJETO CAVALO: QUADRIVIUM 8 PATAS
ARTISTAS: ADRIANO MOTTA, CADU, EDUARDO BERLINER E PAULO VIVACQUA
CURADORIA: INSTITUTO TOMIE OHTAKE
ATÉ 20/11
INSTITUTO TOMIE OHTAKE

Criado pelo instituto em 2013, o Programa "Arte Atual" é uma plataforma para pesquisas artísticas, de caráter experimental, na qual, por meio de uma questão sugerida pelo seu Núcleo de Pesquisa e Curadoria, um grupo de artistas convidado desenvolve um novo trabalho com o propósito de conceber mostras que permitam explorar um espaço entre os ateliês e as já consolidadas formas de apresentação ao público. Na atual edição, o programa traz uma produção coletiva, de artistas com repertórios distintos, que passaram cerca de um ano concebendo a exposição. A mostra coletiva propõe a investigação empírica dos atributos simbólicos do carrossel; um elemento que conjuga características visuais, espaciais e sonoras comuns aos artistas, trazendo também metáforas do tempo cíclico e da infância. Saiba mais.

Adriano Motta, Cadu, Berliner e Vivacqua, 2017, rostos, grafite, aquarela, guache, hidrocor e acetato sobre papel. Foto: Divulgação.

BOCCIONI: CONTINUIDADE NO ESPAÇO
ARTISTAS: UMBERTO BOCCIONI
CURADORIA: ANA MAGALHÃES E ROSALIND MCKEVER
ATÉ 24/3
MAC USP - MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA

A obra Formas Únicas da Continuidade no Espaço, que integra a coleção do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, é a mais celebrada do futurista italiano Umberto Boccioni (1882-1916) por marcar tanto o ápice da tentativa do artista de dar vida à escultura, criando figuras em movimento, quanto o início do futurismo italiano, ainda no início do século XX, influenciando todo o percurso da arte moderna posterior. A mostra é baseada na pesquisa multidisciplinar e inédita desenvolvida pelas curadoras, que investigaram aspectos históricos, estéticos e técnicos da produção artística de Boccioni, em colaboração com instituições nacionais e internacionais. Dessa forma, a exposição apresenta ao público uma experiência derivada da pesquisa acadêmica, mas em um trajeto visual que permite acompanhar a feitura e a difusão da obra de arte. Saiba mais.

Umberto Boccioni, Formas Únicas da Continuidade no Espaço. Foto: Reprodução / MAC USP.

GERMAN LORCA: MOSAICO DO TEMPO, 70 ANOS DE FOTOGRAFIA
ARTISTAS: GERMAN LORCA
CURADORIA: RUBENS FERNANDES JUNIOR
ATÉ 4/11
ITAÚ CULTURAL

A mostra exibe mais de 150 imagens, além de séries e ensaios fotográficos, projeções, objetos e premiações de German Lorca. O fotógrafo, que hoje tem 96 anos e conta sete décadas de carreira profissional, continua clicando tudo o que lhe desperta o olhar, como a paisagem urbana de São Paulo, que registrou por mais de meio século. Assim, a linha curatorial organiza esta retrospectiva de modo a condensar a larga e rica vivência de Lorca. Para os curadores da exposição, suas fotografias expressam de modo exemplar toda a experiência do período modernista e chegam aos dias de hoje com o mesmo frescor que o aproximam de algumas manifestações e de alguns procedimentos da arte contemporânea. Saiba mais.

Aeroporto 65, feita em 1965. Foto: German Lorca / Divulgação Itaú Cultural.

VALESKA SOARES: ENTREMENTES
ARTISTAS: VALESKA SOARES
CURADORIA: JÚLIA REBOUÇAS
ATÉ 22/10
PINACOTECA DO ESTADO DE SÃO PAULO

A mostra, expõe uma seleção de 30 anos de produção da artista mineira, expondo obras de desde o final dos anos 1980 que trazem como temas principais o sujeito e o corpo, a memória e os afetos, e as relações entre espaço, tempo e linguagem. De modo geral, a mostra trata de tudo daquilo que, mesmo sendo matéria de foro íntimo, pode ser vivido em comunhão. A artista, que tem a escultura como sua primeira linguagem e pertence a um grupo internacional de artistas que expandiu as possibilidades da instalação na arte - engajando subjetivamente o espectador -, se utiliza de diversas técnicas sensoriais para criar atmosferas e vivências que são tanto convidativas quanto perturbadoras. Saiba mais.

Vistas da exposição na Pina Estação. Foto: InfoArtSP.

RAFAEL E A DEFINIÇÃO DA BELEZA - DA DIVINA PROPORÇÃO À GRAÇA
ARTISTAS: RAFAEL E OUTROS
CURADORIA: ELISA BYINGTON
ATÉ 16/12
CENTRO CULTURAL FIESP

A obra de Rafael, o mais jovem da tríade formada também por Leonardo da Vinci e Michelangelo, se inspira tanto na Antiguidade Clássica quanto na natureza, materializando-se como síntese de elegância e naturalidade. Na exposição que antecipa às celebrações que marcam os 500 anos de morte de Rafael de Urbino (1483-1520), estão expostas obras de grandes mestres do Renascimento de diversas coleções italianas e do próprio artista, considerado o maior e mais perfeito representante da Idade de Ouro do Renascimento - os primeiros anos do século XVI que abarcam um dos mais ricos e importantes períodos da história da arte ocidental. Saiba mais.

Rafael, La Perla di Modena, 1518-1520, 35 x 30 cm. Coleção Galleria Estense - Modena, Itália.

RETRATOS
ARTISTAS: BOB WOLFENSON
CURADORIA: RODRIGO VILLELA
ATÉ 9/12
ESPAÇO CULTURAL PORTO SEGURO

Uma das referências nacionais como retratista, fotógrafo de nus e de moda, Bob Wolfenson transita com a mesma destreza entre a publicidade e a arte. Ao longo de seus quase 50 anos de carreira, é responsável por alguns dos retratos mais marcantes da iconografia brasileira recente. A exposição traz mais de 200 retratos, vários deles ainda inéditos, realizados pelo fotógrafo ao longo de 45 anos. O mais antigo é um registro de 1973 do dramaturgo e diretor teatral, José Celso Martinez Corrêa; um dos mais recentes - feito especialmente para a mostra - foi o do também fotógrafo Sebastião Salgado. Para além dos retratos, a mostra exibe também um conjunto de fotografias de um lado menos divulgado do fotógrafo: sua atividade de "paparazzo". São relances de figuras encontradas por acaso e que ele não poderia deixar passar, a exemplo de Charles Chaplin, Sophia Loren e Yoko Ono. Saiba mais.

Helio Oiticica. Foto: © Bob Wolfenson.

TEMPOS IDOS E VIVIDOS
ARTISTAS: LILIAN CAMELLI
CURADORIA: VERA NOVIS
ATÉ 1/11
GALERIA ESTAÇÃO

Partindo de fotografias ou lembranças, a artista desenvolve pinturas que remetem sobretudo ao universo feminino, retratos de sua família e a outras memórias afetivas. Na mostra, as cerca de 50 pinturas apresentam a repetição como uma das características em comum. Determinados objetos ou ambientes estão presentes em várias obras, como se a memória falhasse à ponto de interromper a criação de determinada cena. "A repetição em si não é um traço negativo no estilo de linguagem. Basta lembrar as recorrentes marinhas de Pancetti, ou as recorrentes bandeirinhas de Volpi, ou, ainda, as recorrentes montanhas mineiras com igrejinhas brancas de Guignard", ressalta a curadora, Vera Novis. Saiba mais.

Lilian Camelli, La hamaca, 2015. Óleo sobre tela, 30 x 40 cm. Foto: ©João Liberato.

INDIVIDUAL - EDGARD DE SOUZA
ARTISTAS: EDGARD DE SOUZA
ATÉ 10/11
GALERIA VERMELHO

A galeria recebe novos trabalhos do artista, conhecido por sua instalação permanente no Instituto Inhotim e por participar de exposições de destaque no Brasil e no mundo. Na mostra, é a fricção entre a reclusão de um espaço privado e o impulso de uma produção voltada ao publico que poderá ser percebida pelo público. São apresentadas obras que permeiam o ambiente doméstico, seja com bancos, vasos, mesas, cadeiras ou almofadas que carregam traços antropomórficos, ou que, de alguma maneira, preveem o corpo humano em relação a si. Além disso, as formas de Edgard são ambíguas e fragmentadas, com vestígios de corporeidade, desejo e erotismo. Saiba mais.

Edgar de Souza, Sem Título, 2018. Foto: Divulgação.

ÚLTIMOS DIAS
100 ANOS DE ATHOS BULCÃO
ARTISTAS: ATHOS BULCÃO
CURADORIA: MARÍLIA PANITZ E ANDRÉ SEVERO
ATÉ 15/10
CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL

A exposição celebra o centenário do artista brasileiro conhecido pela diversidade de sua obra e sua inegável importância histórica e cultural. Além dos famosos painéis de azulejo, como o do Memorial da América Latina, o artista demonstra sua criatividade e apuro estético de diversas outras formas, como em gravuras, pinturas e figurinos. O caráter urbano e democrático da produção do artista se evidencia em mais de 300 obras, incluindo trabalhos inéditos. Do lado de fora do museu já se pode notar tal caráter a partir de um grande cubo que intriga os transeuntes com os mais diversos painéis de azulejo do artista. Saiba mais.

Azulejaria de Athos Bulcão. Foto: Fundação Athos Bulcão.

CENTENÁRIO
ARTISTA: IRVING PENN
CURADORIA: MARIA MORRIS HAMBOURG
ATÉ 18/10
INSTITUTO MOREIRA SALLES PAULISTA

A exposição, exibida pela primeira vez no Metropolitan Museum of Art (The Met), em Nova York, apresenta um panorama da produção do fotógrafo norte-americano Irving Penn que, além de trabalhos inovadores no campo da moda, produziu retratos, naturezas-mortas, nus femininos, peças publicitárias, entre outras obras - como a série de retratos etnográficos, realizada entre 1967 e 1971, na Papua-Nova Guiné, no Marrocos e no Benin. Estão expostas mais de 230 fotografias, concebidas ao longo de quase 70 anos de carreira, além de cerca de 20 periódicos (conjunto que evidencia a ampla variação temática do artista). Entre as obras, está a famosa série Cigarros (1972), com fotos de bitucas de cigarro coletadas das ruas e fotografadas no estúdio. Saiba mais.

Irvin Penn, Rochas Mermaid Dress. Lisa Fonssagrives.

Para saber mais sobre essas e outras exposições em cartaz na capital paulista, confira a agenda do InfoArtSP.