Notícias

Voltar

Paisagismo do Inhotim mescla Jardim Botânico ao acervo de arte contemporânea

Jardim botânico do instituto reúne mais de cinco mil espécies, algumas raras.

O Instituto Inhotim, localizado em Brumadinho, a 60km de Belo Horizonte (MG), é uma excelente opção para os feriados que se aproximam! Após o InfoArtSP ter destacado alguns pontos sobre o maior museu a céu aberto do mundo e seu acervo de arte contemporânea, nesta matéria o destaque é seu valor botânico, paisagístico e de preservação da fauna e da flora local.

Diversos jardins temáticos compõem e apresentam o acervo botânico do espaço (Foto: InfoArtSP)

O Instituto está cercado por uma exuberante porção florestal remanescente de Mata Atlântica e Cerrado, biomas considerados hotspots mundiais – denominação que se dá para regiões com alta biodiversidade, que abriga espécies endêmicas e simultaneamente ameaçadas de destruição.

Grande parte da área de visitação e dos 254 ha de área protegida na forma de Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN) do Inhotim se inserem na transição entre Mata Atlântica e Cerrado, sendo que, no Jardim de Transição, é possível caminhar por trilhas que abrigam cerca de 120 espécies que coexistem nesta área, que raramente se mantém preservada em outras localidades do país.

Obras de arte e paisagem se fundem no Inhotim (Foto: InfoArtSP)

Jardins
Atualmente são seis jardins específicos além do já citado: Vandário; Jardim de Todos os Sentidos; Jardim Desértico; Jardim Veredas; Jardim pictórico; e Largo das Orquídeas – o último dedicado à espécie Cattleya walkeriana, mais conhecida como rainha do cerrado, nativa de Minas Gerais, São Paulo, Tocantins, Mato Grosso, Bahia e Goiás. Dos 140 hectares da área composta de florestas estacionais semideciduais, bioma típico do Brasil Central, 42 são de jardins.

Os jardins valorizaram a exuberância da flora, que se integra de forma espontânea e harmônica ao funcionar como “paredes” de Mata Atlântica que se misturam entre lagos e paisagens ligadas por caminhos, escadas e pátios construídos a partir de formações rochosas de quartzito natural – inovações que se popularizaram no paisagismo brasileiro.

Galeria True Rouge, do artista Tunga, cercada pela vegetação natural ao fundo (Foto: InfoArtSP)

Paisagismo
O paisagismo consiste na criação planejada de ambientes, rurais ou urbanos, a partir de elementos vivos (fauna e flora), naturais (terreno, lagos e córregos), construídos pelo homem (pontes, trilhas, edificações), climáticos (estações e luz solar) e culturais (aspectos místicos e espirituais). No Inhotim, é possível identificar uma forte presença do paisagismo, que valoriza a diversidade biológica e “conversa”com o acervo artístico e com o patrimônio histórico-cultural.

As primeiras obras paisagísticas e de concepção do local tiveram início em meados da década de 1980, e ao longo do tempo foram sendo adquiridas diversas espécies de palmeiras e árvores nativas brasileiras e exóticas de várias regiões do mundo, que se adaptaram muito bem ao local. Mas foi em 2010 que a expressiva coleção botânica do Instituto permitiu seu reconhecimento como Jardim Botânico. Composta por aproximadamente cinco mil espécies, duas famílias se destacam: a de palmeiras (Arecaceae), com cerca de mil espécies e variedades, e a dos imbés, antúrios e copo-de-leite (Araceae), com mais de 400 espécies e formas – consideradas uma das maiores do mundo.

As palmeiras azuis com suas folhagens azul-prateadas (Bismarckia nobilis) são endêmicas de Madagáscar, mas no Inhotim você pode encontrar individuos próximos à obra Invenção da Cor, Penetrável Magic Square #5, de luxe (1971), de Hélio Oiticica. (Foto: InfoArtSP)

Educação ambiental
Nos últimos anos, as equipes de curadoria botânica e de paisagismo do Inhotim têm trabalhado com a composição de jardins temáticos para exposição de parte da relevante coleção botânica do Instituto. O amplo acervo, combinado aos espaços temáticos, possibilitam a realização de pesquisas e atividades educativas que propõem reflexões sobre diversos temas, como a preservação da biodiversidade, a utilização de recursos naturais e o cuidado com o meio ambiente.

Além disso, a Reserva Particular de Patrimônio Natural está determinada a colaborar de forma vitalícia para a conservação da biodiversidade conectando o Inhotim ao sul da Cadeia do Espinhaço, considerada um dos mais importantes centros de diversidade e plantas do mundo.

Obra de Olafur Eliasson oferece outro olhar sobre a paisagem que cerca o Instituto (Foto: InfoArtSP)

Saiba mais sobre o Instituto Inhotim aqui e aqui.