Notícias

Voltar

Final de semana com exposições, atividades culturais e feira fotográfica em São Paulo

Artes Visuais: Confira a seleção do InfoArt com as melhores exposições de artes visuais que acontecem em São Paulo este final de semana

Os finais de semana em São Paulo oferecem muitas opções culturais para quem mora ou visita a cidade. As atividades deste final de semana (9 e 10 de dezembro) incluem aberturas de exposições, feira de fotografia e atividades culturais especiais nas instituições da cidade. Mas não é só na capital paulista que se concentram as atenções do universo artístico.

Durante o final de semana as atenções do público e da crítica se voltam para a 16ª edição da Art Basel Miami Beach, feira internacional que encerra o calendário do circuito artístico em 2017. Com a participação de 20 galerias brasileiras, o evento é uma ótima vitrine para quem procura arte moderna, principalmente da nova geração de artistas do mundo todo.

Já em São Paulo, a Feira de Foto Cavalete Pocket, que a DOC Galeria recebe durante o final de semana, pode não ter um tamanho comparável ao da grandiosa Art Basel Miami Beach, mas cumpre seu papel ao ofertar trabalhos de mais de 40 fotógrafos e editoras. O objetivo do evento que acontece na Vila Madalena é oferecer todo e qualquer objeto fotográfico: impressões, publicações, fotolivros, fotozines, livros de artistas, fotos soltas e muito mais por valores acessíveis.

Uma programação especial também é realizada em outras duas instituições da cidade. No IMS Paulista, atividades culturais complementam as reflexões acerca de exposições em cartaz na unidade. Em mais uma edição do "Fotolivro de cabeceira" - atividade onde artistas, críticos e curadores conversam com o público sobre seu fotolivro favorito - o fotógrafo João Luiz Musa fala sobre o fotolivro Os americanos, de Robert Frank, um dos nomes mais importantes da história da fotografia. A série Os americanos está exposta na instituição na mostra "Os americanos e os livros e os filmes". Já o coletivo Garapa realiza uma leitura dramática referente ao trabalho Postais para Charles Lynch, que aborda os linchamentos no Brasil e integra a mostra "CORPO A CORPO".

Por fim, em comemoração aos seus 10 anos da abertura da Casa-Museu Ema Klabin, a instituição realiza, no sábado (9), o lançamento do livro “A Coleção Ema Klabin, organizado pelo curador Paulo de Freitas Costa e que traz um panorama do rico acervo da instituição. As comemorações se estendem durante todo o dia com visitas à casa e um show com Tito Martino Jazz Band.

Confira a seguir a seleção do InfoArtSP com as principais exposições para quem quer curtir um pouco do que a cidade tem para nos oferecer quando o assunto é artes visuais:

ABERTURAS

RODRIGO ANDRADE: PINTURA E MATÉRIA (1983-2014)
ARTISTAS: RODRIGO ANDRADE
CURADORIA: TAISA PALHARES
DE 9/12 A 12/3
ESTAÇÃO PINACOTECA

A mostra retrospectiva exibe, pela primeira vez, um conjunto de mais de 100 trabalhos do artista paulistano, apresentando uma ampla visão de sua carreira, desde 1983 até os últimos cinco anos de sua produção. Andrade, ao lado de Fábio MiguezNuno Ramos, Paulo Monteiro e Carlito Carvalhosa, formou o grupo conhecido como Casa 7, na década de 1980. Sua produção inicial foi marcada pela observação dos comics norte-americanos e de pintores como o canadense Philip Guston, mas em seguida passa a se identificar com uma produção então chamada de “matérica”, por valorizar o acúmulo de tinta e de outros elementos no suporte (papelão, madeira, etc). Entre os trabalhos apresentados na mostra, destacam-se as obras de sua fase abstrata. A exposição dá continuidade às mostras de revisão de carreira de artistas que emergiram no cenário brasileiro durante a década de 1980, que a Pinacoteca realiza há mais de dez anos. Saiba mais.

Rodrigo Andrade, Onda azul (Daido Moriyama), 2014. Da série Bicromias, óleo sobre tela sobre MDF, 60 x 90 cm. Coleção Isabel Diegues, Rio de Janeiro. Foto: Eduardo Ortega.

ROSTOS HAITIANOS
ARTISTAS: LUCCA MESSER
DE 9/12 A 24/2
UNIBES CULTURAL

O fotógrafo londrino, que vive no Brasil há 12 anos, voltou suas lentes à comunidade de haitianos que residem no bairro do Glicério, região central de São Paulo. O projeto, produzido pelo haitiano Ocarl Joseph, mostra homens, jovens e mulheres que vieram ao Brasil motivados por um sonho e a realidade diária dessa população que busca melhores condições. Além das imagens capturadas, é possível conhecer cada um dos personagens por meio de depoimentos em que os imigrantes revelam seus sonhos, família, trabalho, religiosidade e fé. “A proposta é debater a imigração e dar destaque aos novos grupos de imigrantes na cidade", comenta Messer. Saiba mais.

Rostos Haitianos (Divulgação)

EM CARTAZ

JULIO LE PARC: DA FORMA À AÇÃO
ARTISTAS: JULIO LE PARC
CURADORIA: ESTRELLITA B. BRODSKY
ATÉ 25/2
INSTITUTO TOMIE OHTAKE

A retrospectiva do artista, conhecido como um dos pioneiros da arte cinética, exibe mais de 100 trabalhos que apresentam as experiências visuais e físicas do argentino. Entre as obras estão instalações e trabalhos em papel raramente vistos, além de materiais de arquivo. "As investigações de Julio Le Parc sobre as maneiras de engajar e empoderar o público redefiniram e reinterpretaram a experiência arte”, afirma a curadora Estrellita B. Brodsky. “Movido por um sólido ethos utópico, Le Parc continua a olhar a arte como um laboratório social, capaz de produzir situações imprevisíveis e de ludicamente engajar o espectador de novas maneiras". Saiba mais.

Julio Le Parc, Alchimie 218, 1996 (Divulgação)

CORPO A CORPO
ARTISTAS: VÁRIOS
CURADORIA: THYAGO NOGUEIRA E VALENTINA TONG
ATÉ 30/12
IMS PAULISTA

Um recorte da produção brasileira contemporânea em fotografia, cinema e vídeo é exibido por meio de sete trabalhos desenvolvidos por artistas e coletivos em parceria com os curadores da mostra. Pensar sobre o retrato, individual ou coletivo, e sobre como as imagens podem nos ajudar a enxergar os conflitos sociais que emergiram no Brasil nos últimos anos é o que buscam os artistas convidados, utilizando o corpo - ou partes dele - como um elemento de representação social e atuação política. Saiba mais.

Sofia Borges, A máscara, o gesto, o papel, 2017.

NO SUBÚRBIO DA MODERNIDADE - DI CAVALCANTI 120 ANOS
ARTISTAS: DI CAVALCANTI
CURADORIA: JOSÉ AUGUSTO RIBEIRO
ATÉ 22/1
PINACOTECA DO ESTADO DE SÃO PAULO

A maior exposição já realizada de Emiliano Di Cavalcanti desde a sua morte em 1976 inclui pinturas, desenhos e ilustrações entre as mais de 200 obras expostas de um dos mais importantes artistas do modernismo brasileiro. Além da atuação pública de Di Cavalcanti como pintor, a mostra destacará também aspectos menos conhecidos de sua trajetória, como as ilustrações e charges para revistas, livros e até mesmo capas de discos. Saiba mais.

Di Cavalcanti, Bordel, década de 1930. Óleo sobre tela, 80,5 x 100 cm (Foto Isabella Matheus)

READY MADE IN BRASIL
ARTISTAS: VÁRIOS
CURADORIA: DANIEL RANGEL
ATÉ 28/1
CENTRO CULTURAL FIESP

A exposição celebra o centenário do readymade de Marcel Duchamp, Fonte, e apresenta um panorama histórico de sua influência na produção artística contemporânea brasileira, desde os anos 1960 até a atualidade, reunindo obras de 50 artistas nacionais. O termo designa trabalhos que se apropriam de elementos do cotidiano e os deslocam para o universo artístico como obras de arte. Na exposição o público pode ver também trabalhos dos principais artistas da geração dos anos 1970, sobretudo, daqueles que foram influenciados pela arte conceitual. Saiba mais.

Nelson Leirner, Xeque-Mate (Touro Mondrian e Duchamp), 2012. (Foto: Beatriz Cunha)

FRANCISCO BRENNAND – MESTRE DOS SONHOS
ARTISTAS: FRANCISCO BRENNAND
CURADORIA: ROSE LIMA
ATÉ 17/12
CAIXA CULTURAL

Cerâmicas, pinturas, desenhos e fotografias trazem a São Paulo um pouco do universo místico e fantástico da Oficina Cerâmica Francisco Brennand e do monumental Parque das Esculturas, criados pelo artista reconhecido por sua arte sincrética, em Recife (PE). A individual conta com 31 obras do acervo original do artista, criadas em diversas fases da sua carreira. Seus trabalhos evidenciam temas como reprodução, mitologia, sexualidade, fauna e flora, personagens históricos e divindades, permeados por signos da tradição popular do Nordeste, bastante valorizados em suas criações. Saiba mais.

Francisco Brennand (Recife, PE, Brasil 1927). Chapeuzinho Vermelho e o lobo. 1995. Acrílica sobre Duratex. 81 x 63 cm. Foto: Celso Pereira Jr.

35° PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
ARTISTAS: VÁRIOS
CURADORIA: LUIZ CAMILLO OSORIO
ATÉ 17/12
MAM - MUSEU DE ARTE MODERNA

O Panorama da Arte Brasileira foi criado em 1969 com o propósito de reconstruir o acervo do MAM, e desde então, adquiriu inúmeras obras para a coleção do museu. Realizado a cada dois anos, o Panorama é um espaço de experimentação para curadores e de mapeamento da produção contemporânea de todas as regiões do país. Na atual - e polêmica - edição, que leva o título "Brasil por Multiplicação", a inspiração é um dos textos seminais de Hélio Oiticica, Esquema Geral da Nova Objetividade (1967), propondo uma reflexão sobre questões cruciais para a arte e a cultura brasileiras, revelando a atualidade do pensamento de Oiticica em sobreposição à realidade do país e de sua arte ainda hoje. Saiba mais.

Karim Aïnouz - Se fosse tudo sempre assim, 2004. Videoinstalação, super 8/digital, cor, 4min (colaboração com Marcelo Gomes). Obra apresentada na 26a Bienal de São Paulo com curadoria de Alfons Hug. Foto: still de vídeo.

Essas e outras exposições você pode conferir quando quiser em nossa agenda. Perdeu a seleção de exposições do início da semana? Confira aqui. Bom passeio!