Notícias

Voltar

Exposições de artes plásticas inauguram em galerias e instituições paulistanas

Artes Visuais: Confira a seleção do InfoArt com as melhores exposições de artes visuais que acontecem em São Paulo esta semana

A última semana de novembro ainda traz aberturas de exposições em galerias e instituições na cidade de São Paulo. Diferentes suportes, como performance, instalações, fotografias e outros, estão entre as opções de obras em exposição na capital paulista.

Entre os destaques da semana está o "Festival Cao Guimarães", realizado na Galeria Nara Roesler e com duração de duas semanas. O festival apresenta uma programação especial com sessões de curtas e nove longas metragens do artista plástico e cineasta mineiro em ocasião da mostra "Locus: Apichatpong Weerasethakul – Cao Guimarães", em exibição no EYE Film Museum, em Amsterdã, e da exposição "Ensaio de Tração", em exibição na Pinacoteca do Estado de São Paulo até março de 2018.

Confira a seguir a seleção que o InfoArtSP fez com as melhores opções de artes plásticas que entram e saem de cartaz em São Paulo nos próximos dias:

ABERTURAS

NÃO PODEMOS CONSTRUIR O QUE NÃO PODEMOS IMAGINAR PRIMEIRO
ARTISTAS: VÁRIOS
CURADORIA: JOTA MOMBAÇA E THIAGO DE PAULA SOUZA
DE 28/11 A 14/1
MIS - MUSEU DA IMAGEM E DO SOM

O Paço das Artes apresenta a última exposição da Temporada de Projetos 2017. Com curadoria de Jota Mombaça e de Thiago de Paula Souza, a exposição reúne obras que discutem a construção de imaginários: de mundos que não existem e de futuros possíveis. A exposição conta com vídeos, uma instalação sonora, desenhos, fotografias e uma performance. Os trabalhos são assinados por Arjuna Neumann & Denise Ferreira da Silva, Michelle Mattiuzzi, Juliana dos Santos, Negro Leo, Rafael RG e Rosa Luz e estimulam exercícios reflexivos e de imaginação. Saiba mais.

Frame da obra “Serpent Rain”, de Arjuna Neumann e Denise Ferreira da Silva (Divulgação)

EXERCÍCIO
ARTISTAS: VÁRIOS
CURADORIA: MARCIO HARUM
DE 28/11 A 10/12
GALERIA JAQUELINE MARTINS

A exposição apresenta os trabalhos de 18 artistas do grupo de acompanhamento crítico de pintura promovido por Regina Parra e Rodolpho Parigi. As experiências e as práticas de ateliê dos participantes diferem heterogeneamente - tanto em quesitos que vão desde a educação formal em artes, quanto a genuínas inclinações vocacionais, absolutamente experimentais, vivenciadas por parte de alguns dos artistas. Com uma visada detida, percebe-se a intensidade do trabalho que vem sendo gerado paulatinamente por este conjunto de artistas. Saiba mais.

Fernando Davis, Fancy, 2015/2017. Óleo sobre tela, 190 x 136 cm.

MAS AFINAL: QUEM TEM MEDO DE TAMANHA LIBERDADE?
ARTISTAS: KATIA WILLE
CURADORIA: BIANCA BOECKEL
DE 29/11 A 20/1
GALERIA VILANOVA

Entre pinturas e objetos em porcelana e vitrificados que perfazem as 20 obras exibidas, o conceito da evolução humana é discutido pelo viés da personagem mulher, levantando reflexões sobre o que fazer em vista da adversidade. Inspirada essencialmente no poder feminino, Katia Wille apresenta uma série inédita de trabalhos que demonstram a constante ação no sentido da afirmação feminina, do não silenciamento de emoções e do direito de ser ativa e responsável por sua própria vida. Saiba mais.

Katia Wille, Invertida, 2017. Acrílica sobre tela, 60 x 40 cm (Divulgação)

WAS WILL DAS WEIB? (O QUE DESEJA UMA MULHER?)
ARTISTAS: ANNA ISRAEL
DE 28/11 A 20/1
CENTRAL GALERIA DE ARTE

A primeira exposição individual da artista Anna Israel expõe uma série de trabalhos de mídias distintas como objetos, fotografias, colagens e desenhos. O interesse da jovem artista em descobrir novas formas de expressão se faz evidente em como ela cria associações entre as diferentes técnicas, materiais e ideias que compõem seus trabalhos. A experimentação é um meio que possibilita que novos significados, linguagens e perspectivas apareçam, para que dois elementos díspares se influenciem e acabem por transformar um ao outro num terceiro, único. Saiba mais.

Anna Israel, Monocromático Preto, 2014. Amperímetro, ventoinha, livro, lente de projetor, lâmpadas, adaptadores, soquetes e cabo elétrico, 20 x 50 x 25 cm (Divulgação)

QUIMERA TROPICAL
ARTISTAS: IURI SARMENTO
DE 28/11 A 21/12
ARTE HALL

Na individual do mineiro Iuri Sarmento serão exibidas telas grandes e pequenas, onde o artista nos leva a conhecer seu jardim secreto de pensamentos, passando por uma coleção de afetos, papéis de parede que guardam lembranças íntimas e imagens que nos transportam para lugares que conhecemos ou nos fazem sentir saudades daqueles que não visitamos. As pinturas de Iuri Sarmento relacionam-se diretamente com a nossa herança visual portuguesa e nos remetem a imagens recorrentes que ocupam o lugar devido em nossa memória cultural e afetiva. Suas figuras curiosas determinam um diálogo profundo com a arte popular nordestina. Ao mesmo tempo, Iuri é discípulo criativo e diferenciado de artistas valiosos da geração 80 como Leonílson, Beatriz Milhazes e Adriana Varejão. Saiba mais.

Iuri Sarmento, Acrilica sobre tela 1,60 x 1,60 (Divulgação)

EM CARTAZ

A “ARTE DEGENERADA” DE LASAR SEGALL: PERSEGUIÇÃO À ARTE MODERNA EM TEMPOS DE GUERRA
ARTISTAS: LASAR SEGALL
CURADORIA: HELOUISE COSTA E DANIEL RINCON
DE ATÉ 30/4
MUSEU LASAR SEGALL

O Museu Lasar Segall, em parceria com o MAC USP, apresenta exposição com foco na história da perseguição à arte moderna empreendida pelos nazistas e suas repercussões no Brasil. A mostra conta com cerca de 35 gravuras de Lasar Segall, que estiveram entre aquelas confiscadas de museus públicos alemães, na ação dos nazistas contra o que denominavam de “arte degenerada”, ou seja, obras de vanguarda e moderna consideradas como produtos de indivíduos doentios ou ideologicamente nefastos. Buscava-se, assim, justificar o confisco e a destruição das obras, bem como a perseguição política aos artistas contrários ao regime. Saiba mais.

Lasar Segall, Eternos Caminhantes, 1919. Óleo sobre tela, 138 x 184 cm (Divulgação)

JULIO LE PARC: DA FORMA À AÇÃO
ARTISTAS: JULIO LE PARC
CURADORIA: ESTRELLITA B. BRODSKY
ATÉ 25/2
INSTITUTO TOMIE OHTAKE

A mostra em apresenta mais de 100 obras que trazem uma centelha de experiências físicas e visuais propostas pelo artista argentino. Ao incluir as principais instalações e trabalhos raramente vistos em papel e materiais de arquivo, "Julio Le Parc: da Forma à Ação" é uma exploração da figura central de Le Parc na história da arte do século 20. Mas, apesar do âmbito histórico, a exposição conversa com força com o presente, demandando presença física e perceptiva do público. Saiba mais.

Julio Le Parc, Ondes 111, série 8 n°5, 1973 (Divulgação)

ÚLTIMOS DIAS

AQUI, BEM AO SUL
ARTISTAS: VÁRIOS
ATÉ 2/12
MAB - MUSEU DE ARTE BRASILEIRA | FAAP

A mostra (em cartaz no MAB-Centro, extensão do Museu de Arte Brasileira, localizado no Edifício Lutetia, centro de São Paulo) integra a programação da 1ª Bienal Internacional de Arte Contemporânea na América do Sul (Bienalsur). Nela estão reunidas obras de diferentes artistas - quatro brasileiros e três estrangeiros - que estão na Residência Artística FAAP e seguem a proposta da Bienalsur, que é a de refletir sobre a condição de estar na região sul do globo. Nesse sentido, a exposição apresenta distintos olhares, da vida urbana e da cidade, desses artistas que estão em São Paulo desde agosto deste ano. Saiba mais.

Criaturas de Cristina Dias (Divulgação)

ADVENTURES OF THE BODY
ARTISTAS: FYODOR PAVLOV-ANDREEVICH
ATÉ 2/12
BARÓ GALERIA (JARDINS)

Localizada no conteiner anexo da galeria, a inédita instalação do artista traz uma série de fotografias que retratam seu próprio corpo em diversas circunstâncias naturais e fictícias. O artista propõe uma nova vivência da arte performática, aonde a ação do sujeito se transpõe ao espectador, que através da interação com um sistema de cordas e roldanas, movimenta as molduras com as fotos para cima e para baixo até o ponto de equilíbrio entre o olhar e a obra. Saiba mais.

Fyodor Pavlov-Andreevich (Divulgação)

Confira essas e outras exposições na agenda do InfoArtSP. Veja aqui as exposições que inauguraram durante o último final de semana.