Notícias

Voltar

Dicas de exposições de artes visuais em cartaz na capital paulista

A última semana de setembro promete agitar o circuito de artes plásticas e visuais em São Paulo. Novas mostras entram em cartaz pela cidade, enquanto muitas outras entram em seus últimos dias de exibição.

Os destaques ficam com a primeira retropesctiva do coletivo feminista Guerrilla Girls, que há 30 anos usam fatos, humor e imagens ultrajantes para expor os preconceitos étnicos e de gênero na sociedade e no meio artístico; e o 35º Panorama da Arte Brasileira, que leva ao MAM-SP a produção contemporânea de todas as regiões do país.

Muitas outras exposições não podem ficar de fora da sua agenda! Para isso, o InfoArtSP selecionou as principais mostras que entram e saem de cartaz nos próximos dias. Confira:

ABERTURAS

Guerrilha Girls
Artistas: Guerrilla Girls
Curadoria: Adriano Pedrosa e Camila Bechelany
De 29/9 a 14/2
MASP

O grupo de ativistas feministas, Guerrilla Girls, é constituído por ativistas anônimas, e conhecido por usar máscaras de gorila em suas aparições públicas. O grupo se formou em 1985, em resposta a uma exposição realizada em 1984 no Museum of Modern Art (MoMA) que incluia 165 artistas, no entanto, apenas treze eram mulheres. A mostra retrospectiva no MASP apresenta 116 trabalhos do grupo, incluindo dois novos cartazes brasileiros, baseados nas obras mais conhecidas das Guerrilla Girls. O discurso que emerge dos cartazes dos últimos 32 anos pode ser enquadrado nos debates sobre as políticas de identidade e sobre o multiculturalismo do final da década de 1980, particularmente nos Estados Unidos; e a preocupação com um maior equilíbrio entre mulheres e homens artistas nos cenários da arte moderna e da arte contemporânea se tornou uma constante. Saiba mais.

 Guerrilla Grils: As mulheres precisam estar nuas para entrar no Met. Museum?

35º Panorama da Arte Brasileira
Artistas: Vários
Curadoria: Luiz Camillo Osório
De 26/9 a 17/12
MAM - Museu de Arte Moderna de São Paulo

O Panorama da Arte Brasileira foi criado em 1969 com o propósito de reconstruir o acervo do MAM. Desde então adquiriu inúmeras obras para a coleção do museu, de artistas como Alfredo Volpi, Maria Bonomi, Abraham Palatnik, e Ernesto Neto, entre outros. O Panorama é realizado a cada dois anos, sendo um espaço de experimentação para curadores e de mapeamento da produção contemporânea em todas as regiões do país. Na atual edição, que leva o título "Brasil por Multiplicação", a curadoria assinada por Luiz Camillo Osorio tem como inspiração um dos textos seminais de Hélio Oiticica, Esquema Geral da Nova Objetividade (1967), e propõe uma reflexão sobre questões, cruciais para a reflexão sobre a arte e a cultura brasileiras, revelando a atualidade do pensamento de Oiticica em sobreposição à realidade do país e de sua arte ainda hoje. Saiba mais

Karim Aïnouz - Se fosse tudo sempre assim, 2004. Videoinstalação, super 8/digital, cor, 4min (colaboração com Marcelo Gomes). Obra apresentada na 26a Bienal de São Paulo com curadoria de Alfons Hug. Foto: still de vídeo.

Ocupação Inezita Barroso
Artistas: Inezita Barroso
Curadoria: Paulo Freire
De 27/9 a 5/11
Itaú Cultural

Neste ano em que todas as Ocupações do Itaú Cultural são voltadas para as mulheres, a artista da vez é Inezita Barroso. No mesmo dia e espaço, é lançado o site No Gravador de Inezita, resultado de projeto coordenado pelo jornalista e produtor musical Aloisio Milani, com consultoria de Marta Barroso, filha da cantora. Contemplado pela edição de 2015-2016 do edital Rumos, o projeto garantiu a digitalização de registros feitos na casa da cantora, entrevistas, recitais e muitas raridades. Saiba mais

Os Sons da Memória - Inezita Barroso, 1980. Fotos: Cedoc FPA/TV Cultura/ Danilo Pavani.

Arte Atual 2017 - Fábula, frisson, melancolia
Artistas: Vários
Curadoria: Paulo Miyada e Carolina de Angelis
De 28/9 a 29/10
Instituto Tomie Ohtake

O programa "Arte Atual" é uma plataforma para pesquisas artísticas, de caráter experimental, na qual, por meio de uma questão sugerida pelo seu Núcleo de Pesquisa e Curadoria do Instituto, um grupo de artistas convidado desenvolve um novo trabalho. Nesta sexta edição do "Arte Atual, em Fábula, frisson, melancolia" foram reunidos Marcelo Cipis, Pedro Wirz e Tiago Tebet como catalisadores de imaginários e sensibilidades do tempo presente. Em registros estéticos variados, eles reverberam porções de fábula, de frisson e de melancolia: a dimensão do mistério - a lenda, o mito - que transborda sobre a natureza apreendida pela humanidade; a excitação coletiva em estágio de espetáculo; e a inércia, desilusão ou pulsão que não alcança seu alvo. Saiba mais.

Marcelo Cipis- Fluxo direto, 2017, Foto: Edson Kumasaka.

Algorab
Artistas: Rodrigo Linhares
Curadoria: Nathália Lavigne
De 27/9 a 4/11
Adelina Galeria

Recentemente premiado no 42° SARP – Salão de Arte de Ribeirão Preto (SP), Rodrigo Linhares apresenta um conjunto de imagens que explora a noção de espelhamento e propõe um jogo de representações capaz de desorientar o olhar. Explorando um aspecto quase labiríntico da fotografia, o artista se autorretrata no próprio ambiente expositivo – como é o caso de uma fotografia em grande formato que ocupa a parte externa da galeria. Saiba mais.

Algorab.

Partituras
Artistas: Marcelo Armani
Curadoria: Lucas Bambozzi
De 27/9 a 4/11
Adelina Galeria

O artista sonoro Marcelo Armani apresenta duas obras na exposição. Ruidógrafo , que chega a São Paulo em uma versão criada especificamente para a exposição, e a instalação sonora Concerto Diplomático, que tem uma proposta de crítica política - uma parede e quadros de madeira rachados compõem o ambiente que será permeado por ruídos e discursos políticos polêmicos de figuras como Donald Trump e Fernando Coelho Filho, mesclados ao som produzido pela rachadura da madeira. Saiba mais.

Marcelo Armani - Partitura Um.

ÚLTIMOS DIAS

Touluse-Lautrec em vermelho
Artista: Henri de Toulouse-Lautrec
Curadoria: Adriano Pedrosa
Até 1/10
MASP

A maior exposição dedicada à obra do francês Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901) já realizada no Brasil aborda o tema da sexualidade, apresentando 75 obras, entre pinturas, cartazes e gravuras, que estão entre as mais emblemáticas do artista. Das onze obras de Toulouse-Lautrec da coleção do MASP, a maior e mais importante em um museu da América Latina, 9 estarão expostas. Toulouse-Lautrec foi um dos artistas centrais da Paris do final do século 19, ao capturar a efervescência noturna da capital que despertava para a modernidade, quando suas ruas foram iluminadas a gás e as mais diversas figuras passaram a se encontrar nos espaços públicos, entre burgueses, boêmios, prostitutas, dançarinos e artistas. Saiba mais.

Henri de Toulouse-Lautrec, Estas mulheres na sala de jantar [These Ladies in the Dining Room], 1893-95. Óleo sobre cartão [Oil on cardboard], 60,2 x 80,7 cm. Szépművészeti Múzeum/ Museum of Fine Arts, Budapest.

Coleções em diálogo: Museu Nacional de Soares dos Reis e Pinacoteca de São Paulo
Artistas: Vários
Curadoria: Elisa Soares e Fernanda Pitta
Até 2/10
Pinacoteca de São Paulo

Importantes obras do acervo de pintura, escultura, desenho e gravura do Museu Nacional de Soares dos Reis, que fica na cidade do Porto, em Portugal, estarão na Pinacoteca de São Paulo, até o dia 2 de outubro. Elas integram a exposição ‘Coleções em Diálogo: Museu Nacional de Soares dos Reis e Pinacoteca de São Paulo’ que pretende explorar a construção de uma arte nacional em Portugal e no Brasil - tema que mobilizou artistas, instituições e interessados pelas belas artes ao longo do século XIX. Saiba mais.

Henrique Pousão- Cecília, 1882. Óleo sobre tela, 82,3 x 57,2 cm. Acervo do Museu Nacional Soares dos Reis, Porto, Portugal. Foto: Arnaldo Soares.

Prêmio Marcantônio Vilaça para as Artes Plásticas
Artistas: Vários
Até 1/10
MuBE - Museu Brasileiro da Escultura e da Ecologia

Os trabalhos dos 20 artistas finalistas da "6ª edição do Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas" ficam reunidos no Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia (MuBE) até o próximo dia 01 de outubro de 2017. No evento de abertura foram anunciados os cinco artistas ou coletivos e o curador premiados com uma quantia em dinheiro e um ano de acompanhamento de um curador ou crítico de arte. Saiba mais.

Edith Derdyk - Blanco Blanchot Bla Bla, Instalação, 2017.

Das mãos e do barro
Artistas: Julia Isídrez, Ediltrudis Noguera e Carolina Noguera
Curadoria: Aracy Amaral
Até 30/9
Galeria Millan

A mostra, que ocupa os espaços da Galeria e Anexo Millan, apresenta pela primeira vez em São Paulo a visceralidade presente na tradição centenária da cerâmica paraguaia a partir de um conjunto de 114 obras, realizadas em 2017, das artistas daquele país: Julia Isídrez, Ediltrudis Noguera e Carolina Noguera. A mostra foi concebida por Aracy Amaral em 2009, por ocasião de sua curadoria na Trienal do Chile, quando a curadora teve um contato mais profundo com as obras dessas três artistas guaranis autodidatas que honram uma tradição centenária, cujas raízes remontam ao período pré-colombiano. Saiba mais.

Carolina Noguera - 138cm, 27 cm diâmetro.

Essas e outras exposições você pode conferir em nossa agenda, quando quiser.