Notícias

Voltar

ArtRio terá agenda de palestras e debates no ESPAÇO TRANSVERSAL

Entre as novidades programadas para a ArtRio 2017 está Espaço Transversal, onde serão realizados debates, mesas redondas e palestras, além da exibição de vídeos sobre arte e design.

A entrada é gratuita para o público da feira. As vagas são limitadas e as inscrições serão por ordem de chegada, no dia dos eventos. As inscrições também podem ser feitas pelo email vip@artrio.art.br.

A curadoria da programação é da revista seLect em parceria com o canal CURTA!

Confira a programação:
Dia 14 de Setembro / Quinta-feira
17h – Conversas ArtRio

Museu é o Mundo
Da aquisição à gestão de acervos, passando pela valorização da cultura local e da memória coletiva global. Este ciclo de conversas debate as funções do museu no século XXI e as iniciativas artísticas independentes que questionam a estrutura do museu, reinventando sua atuação do lado de fora das instituições.

Participação:
Fernando Cochiaralle
 

(curador de artes visuais do MAM Rio, doutor em Tecnologias da Comunicação e Estética pela Escola de Comunicação da UFRJ (2012), desde 1978 é professor de Estética do Departamento de Filosofia da PUC-RJ, e professor há 25 anos da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Sua ligação com o MAM remonta a 1972, quando iniciou sua formação em artes visuais, justamente em um curso no Museu de que foi curador de artes visuais entre 2001 e 2007. É autor de vários livros, e publicou cerca de 200 artigos, textos e resenhas em coletâneas, catálogos jornais e revistas de arte do Brasil e do exterior. Foi coordenador de artes visuais da Funarte entre 1990 e 1998; membro da Comissão Curadora do Projeto Rumos Visuais em 1999 e 2000, projeto de que foi curador-coordenador entre 2001 e 2002; curador da Casa de Cultura Laura Alvim, no Rio de Janeiro, em 2011 e 2012, e curador de mostras de arte contemporânea do Santander Cultural, em Recife. Dentre as várias curadorias recentes que assinou, estão as exposições "Filmes de Artista – Brasil 1965/1980" (Oi Futuro, Rio de Janeiro, 2007); "Brasília e o Construtivismo: um encontro adiado" (Centro Cultural Banco do Brasil, Brasília, 2010); "Hélio Oiticica – Museu é o Mundo" (curadoria com César Oiticica Filho; Itaú cultural, São Paulo; Paço Imperial e Casa França Brasil, Rio de Janeiro; Museu Nacional do Conjunto Cultural da República, 2010), "Waldemar Cordeiro: Fantasia Exata" (curadoria com Arlindo Machado, Itaú Cultural, São Paulo, 2013, e Paço Imperial, Rio de Janeiro, 2014).

Kelly Taxter 

(curadora programa SOLO, co-curadora do Jewish Museum NY. Coordenou a Galeria Taxer & Spengemann em Nova York, durante oito anos, promovendo talentos como Xavier Cha e Andrew Kuo. Abriu "Laurie Simmons: How We See", o primeiro solo do museu de Nova York da artista, e supervisionou trabalhos específicos do local, com artistas como Willem de Rooij, Chantal Joffee e Valeska Soares.)

Guga Ferraz (artista visual, vive e trabalha no Rio de Janeiro. É graduado em escultura pela Escola de Belas Artes/UFRJ. Desde o ano 2.000, integra o grupo Atrocidades Maravilhosas, realizando trabalhos de intervenção urbana na cidade. A intervenção é o meio mais utilizado pelo artista, questionando temas como a violência urbana, as relações entre indivíduo e cidade e a própria cidade como lugar. Suas exposições incluem: "Maranhão", na galeria A Gentil Carioca (2015); Caos e Efeito, Itaú Cultural, São Paulo (2011); A Cidade Repete o Homem, A Gentil Carioca (2008); O Condomínio, A Gentil Carioca, Rio de Janeiro (2005); Orlândia (2001, 2002, 2003); Panorama da Arte Brasileira, Museu de Arte Moderna de São Paulo (2001).

Mediação: Marion Strecker, editora da seLecT

19h – Conversas ArtRio:
O Colecionismo Ativo
Colecionadores que se notabilizam em viabilizar pesquisas, exposições e a produção de obras que não cabem em orçamentos de museus.

Participação:
Frances Reynolds (fundadora e Presidente da Fundación Arte Viva na Europa e Instituto Inclusartiz no Brasil, organizações sem fins lucrativos que promovem iniciativas culturais para levar arte, cultura e educação a todos os setores da sociedade. Os projetos mencionados abrangem programas educacionais para sistemas de escolas públicas e exibições de arte internacionais importantes).

José Olympio Pereira 

(colecionador de arte, com foco na produção moderna e contemporânea do Brasil. Participa dos Conselhos Internacionais do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA) e da Tate Modern, em Londres. Participa do Board of Trustees do New Museum, de Nova Iorque. É membro do Comitê de Aquisições da Fondation Cartier, em Paris. No Brasil, é presidente do Conselho da Pinacoteca do Estado de São Paulo e membro do Conselho da Fundação Bienal de São Paulo. Participa também do Conselho da SOS Mata Atlântica)

Mediação: Paula Alzugaray, editora da seLecT

Dia 15 de Setembro / Sexta-feira
16h – Exibição vídeos Canal CURTA!

Designers do Brasil
Episódio Heloísa Crocco: Heloísa Crocco é um dos principais nomes da colaboração entre design e artesanato na América Latina, com projetos desenvolvidos no em países como Brasil, Colômbia e Uruguai.

Episódio Ronaldo Fraga: O mineiro Ronaldo Fraga trouxe originalidade para a moda brasileira. Seu olhar é muito particular, em constante mutação e construído a partir da observação aguda do seu tempo e do seu lugar.

17h – Conversas ArtRio
Museu além do Museu
Essa mesa debaterá as reconfigurações do museu na contemporaneidade. Como pensar o museu como um palco de discussões que problematiza suas relações com a cidade, discute sua inserção política e, por meio de suas ações curatoriais, coloca novas questões à sociedade?

Participação:
Jochen Volz
 

(Diretor Geral da Pinacoteca de São Paulo e curador do Pavilhão do Brasil na 53a Biennale di Venezia em 2017. Foi curador da 32a Bienal de São Paulo em 2016. Foi coordenador de Programação da Serpentine Galleries em Londres (2012 a 2015), Diretor Artístico do Instituto Inhotim, Minas Gerais (2005 a 2012) e curador do Portikus, em Frankfurt, Alemanha (2001 a 2004). Foi co-curador da mostra internacional da 53ª Bienal de Veneza (2009) e da 1ª Aichi Triennial, em Nagoya, Japão (2010) e curador convidado da 27a Bienal de São Paulo (2006), entre outras colaborações em exposições em escala internacional. Possui mestrado em História de Arte, Comunicação e Pedagogia pela Humboldt Universidade de Berlin (1998).

Paulo Herkenhoff 

(Curador e crítico de arte, foi diretor Cultural do Museu de Arte do Rio (MAR) e diretor do Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro (2003-2006). Também foi Curador Adjunto no departamento de Pintura e Escultura do Museu de Arte Moderna de Nova York, o MoMA (1999-2002), Curador Geral da XXIV Bienal de São Paulo (1997 e 1999) e Curador da Fundação Eva Klabin Rapaport. Foi consultor da Coleção Cisneros (Caracas, Venezuela), consultor da IX Documenta Kassel, na Alemanha (1991) e curador chefe do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro / MAM (1985-1999). Entre outras curadorias consideradas centrais para a compreensão histórica das produções em arte brasileira e latino-americana, estão por exemplo o pavilhão brasileiro na 47ª Bienal de Veneza (1997), uma exposição de formato fundador realizada em instituição de prestígio mundial e a 24ª edição da Bienal de São Paulo (1998), "Um e/entre Outros", conhecida como a Bienal Antropofágica, considerada uma das mais importantes exposições da década de 1990.)

Mediação: Giselle Beiguelman, editora da seLecT

20h – Exibição vídeos Canal CURTA!
Estados da Arte

Episódio Coletivo: Os agenciamentos e articulações que permitem a produção artística a partir de experiências compartilhadas.
O percurso do Grupo Empreza e os limites do corpo.
O espírito dionisíaco do Opavivará.
As mobilizações propostas pelo Norte Comum na periferia carioca.
A ocupação artística do espaço público pelos murais do Coletivo Gráfico.

Episódio Índio: O trabalho e o pensamento de artistas que foram tocados pelas forças espirituais e criativas dos povos da Floresta. O engajamento e a luta pelas questões indígenas e ambientais. A relações da arte com mitos e cosmogonias.

Participam deste episódio: Ailton Krenak (liderança indígena), Bené Fonteles, Bernardo Zabalaga, Claudia Andujar, Ernesto Neto, Gisela Motta, Leandro Lima (artistas), Paula Borghi (curadora).

Dia 16 de Setembro/ Sábado
16h – Exibição filmes Vídeobrasil

Áfricas Utópicas
Seleção e exibição de obras do acervo da Videobrasil, com curadoria de Paula Alzugaray.
Filmes: Vertières I II III, 2014, Louise Botkay
Omolu não é São Lázaro, 2003, Flavio Lopes
As Mãos do Epô, 2007, Ayrson Heráclito.

Videoinstalação:
Metathesiophobia (Medo da Mudança), 2011
Irineu Rocha da Cruz | Futebol, 2005, Frente 3 de Fevereiro.

17h – Conversas ArtRio:

Não te esqueças nunca que eu venho dos trópicos
Sob a influência do título da obra de Maria Martins, de 1942, este ciclo debate passado, contemporaneidade e revisões críticas da produção artística brasileira, em relação às matrizes indígena e afro-brasileira.

Participação:
Marta Mestre (licenciada em História da Arte (FCSH/UNL), fez mestrado em Cultura e Comunicação (Université d'Avignon et des Pays de Vaucluse, França), e trabalha há mais de dez anos em curadoria, edição, crítica, docência, entre outros, em Portugal e no Brasil. Foi curadora do Instituto Inhotim, Minas Gerais (2016-2017), curadora-assistente do Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro (2010-2015), curadora-convidada da Escola de Artes Visuais Parque Lage, Rio de Janeiro em 2016. Em Portugal, foi curadora do Centro de Artes de Sines (2005-2008), e fundadora e colaboradora da editora "Imago" e da plataforma "Buala". Tem realizado, individual ou coletivamente, vários projetos, majoritariamente em instituições públicas, e com ênfase na pesquisa de "contra narrativas" da história. Entre outras, recebeu as premiações: "Laboratório Curatorial/SPArte 2012" e "Travel Grant Awards/ CIMAM 2014". Algumas exposições recentes (seleção): "Daniel Steegmann/ Philippe Van Snick" [MAM-Rio e Casa Modernista, São Paulo, 2015], "Agora somos mais de mil" [Escola de Artes Visuais Parque Lage, 2016], "Por aqui tudo é novo..." [Instituto Inhotim, 2016], "Ricardo Basbaum: Corte-contaminação-contato" [Galeria Jaqueline Martins, São Paulo 2017].

Para este ano, está preparando as exposições "Song for my Hands", Bienal de Curitiba e "Proyecto através de Latinoamérica", Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura, a inaugurar em Setembro e Novembro, respectivamente).

Solange Farkas 

(curadora e diretora da Associação Cultural Videobrasil. Criou o Festival de Arte Contemporânea Sesc - Videobrasil em 1983, e foi diretora e curadora-chefe do Museu de Arte Moderna da Bahia entre 2007 e 2010. Participou como curadora convidada da 10ª Bienal de Charjah (Emirados Árabes Unidos, 2011), 16ª Bienal de Cerveira (Portugal, 2011), 5ª Videozone – International Video Art Biennial (Israel, 2010), FUSO – Mostra Anual de Videoarte (Portugal, 2011-2014 e 2017) e 6º Festival Internacional de Vídeo de Jacarta (Indonésia, 2013). Integra o Comitê de Premiação do Prince Claus Fund Award 2017 e o conselho consultivo do espaço de arte Pivô, em São Paulo. Em 2017, foi contemplada com o Montblanc Arts Patronage Award, prêmio da fundação alemã, destinado a profissionais com trajetória de destaque no apoio ao desenvolvimento das diversas expressões artísticas e culturais.)

Arjan Martins 

(nascido no Rio de Janeiro em 1960, estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, com os professores Paulo SeÌ rgio Duarte, Fernando Cocchiarale, Charles Watson, JoaÌ?o MagalhaÌ?es, Elizabeth Jobim, Viviane Matesco e JoaÌ?o Carlos Goldberg. Em 2002, fez sua primeira individual, 'Desenhos', no Museu da RepuÌ blica. Participou de diversas mostras coletivas como 'Arte Brasileira Hoje' (MAM, 2005), 'Novas AquisiçoÌ?es' (MAM, 2004), 'Abre Alas', na Galeria A Gentil Carioca (2009) e mais recentemente 'Do Valongo aÌ? Favela', no Museu de Arte do Rio (2014). Nesse mesmo ano realizou a primeira exposiçaÌ?o individual no MAM Rio, 'AmeÌ ricas', com curadoria de Paulo SeÌ rgio Duarte. Ao longo de sua trajetoÌ ria recebeu dois preÌ?mios: foi contemplado com 'Bolsa Viagem do Instituto Goethe', em 2007, e recebeu também o 'PreÌ?mio ProjeÌ teis de Arte ContemporaÌ?nea – Funarte', em 2005. No exterior, o artista participou da Bienal de Dakar 2006 e do Haiti Sculpture, em 2007. Em 2016, realizou a individual 'Et Cetera', na galeria A Gentil Carioca).

Mediação :Paula Alzugaray, editora da seLecT

19h – Conversas ArtRio:

O Colecionismo: Público e Privado
Debate sobre as motivações que regem as formações de acervos particulares, assim como os mecanismos para torná-los públicos e acessíveis. Serão debatidos dentro desse tema, outras ações, como a adesão de colecionadores aos conselhos de museus e instituições.

Participação:
Fabio Szwarcwald
 

(formando em Economia na UERJ, com MBA em Finanças pelo IBMEC, e MBA em Gestão Empresarial na FGV. Integra o 'Conselhos do Capacete', e ainda o 'Conselho do New Museum' e o 'Conselho de Aquisição do MAM'. Foi fundador do projeto 'Aurarte', e atualmente é Diretor Presidente da EAV Parque Lage).

Ana Gonçalves Magalhães (historiadora da arte, curadora e professora do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC USP), desde 2008. Sua pesquisa junto ao MAC USP tem por objeto a coleção de arte moderna italiana do acervo do Museu, e está publicada no livro Classicismo Moderno, Margherita Sarfatti e a pintura italiana no acervo do MAC USP (Alameda Editorial, 2016), resultante de sua tese de livre-docência em 2015. Durante sua pós-graduação, trabalhou sobre as obras de Claude Monet e Edgar Degas do acervo do Museu de Arte de São Paulo (MASP), tendo posteriormente colaborado com o Museu na organização das exposições sobre as obras dos dois artistas, respectivamente, em 1997 e em 2006. Entre abril e junho de 2016, foi pesquisadora convidada do Getty Research Institute em Los Angeles, Califórnia, onde desenvolveu a pesquisa em torno da história material do gesso Formas únicas da continuidade no espaço de Umberto Boccioni (1913, acervo MAC USP), em parte publicada na Revista USP. Contribui regularmente com artigos e textos para revistas especializadas, no Brasil e no exterior, bem como organizou exposições e publicações com colaboradores brasileiros e estrangeiros).

Ana Letícia Fialho 

(Diretora do Departamento de Estratégia Produtiva da Secretaria da Economia da Cultura no Ministério da Cultura. Doutora em Ciências das Artes e da Linguagem pela Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris (EHESS), mestre em Gestão Cultural pela Universidade de Lyon II e Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi gerente executiva do Cinema do Brasil (2015-2016), coordenadora de pesquisa e consultora em inteligência comercial do Projeto Latitude (2012-2015) e pesquisadora associada ao programa de pós-doutorado do Instituto de Estudos Brasileiros da USP (2014-2016). Com mais de 15 anos de experiência profissional nas áreas de Ensino, Pesquisa e Gestão Cultural, já atuou junto a organizações como a Associação Brasileira de Arte Contemporânea (ABACT), Base7, Fórum Permanente, Fundação Iberê Camargo, Fundação Bienal do Mercosul, Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, SEBRAE,SENAC, SESC, entre outras. É co-autora dos livros 'Sociologia das artes visuais no Brasil' (SENAC, 2012), 'O valor da obra de arte' (Metalivros, 2014), 'Outras histórias na arte contemporânea' (Paço das Artes, 2016) e co-organizadora, com Leandro Valiati, do 'Atlas Econômico da Cultura Brasileira' (UFRGS, 2017).

Mediação: Marion Strecker, editora da seLecT

Sobre a ArtRio
Em 2017, a ArtRio estreia em novo endereço: a Marina da Glória. O evento, que acontece de 13 a 17 de setembro, vai reunir importante galerias brasileiras e internacionais. Chegando a sua 7ª edição, a feira tem entre suas metas ser um dos principais eventos mundiais de negócios no segmento da arte.

A ArtRio pode ser considerada uma grande plataforma de arte contemplando, além da feira internacional, ações diferenciadas e diversificadas com foco em difundir o conceito de arte no país, solidificar o mercado, estimular e possibilitar o crescimento de um novo público oferecendo acesso à cultura.

Em seu importante projeto de formação de público para a arte contemporânea, a ArtRio pensa o evento também como um evento cultural que mobiliza todo o circuito artístico da cidade durante várias semanas e tem uma ação continuada ao longo de todo o ano.

A ArtRio é apresentada pelo Bradesco, através da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura. O evento tem patrocínio da CIELO e Stella Artois, apoio das marcas Minalba e IRB Brasil RE e apoio institucional da Estácio, Klabin e High End.

Foto: Mathias Max

Serviço ArtRio 2017:
Data: 14 a 17 de setembro (quinta-feira a domingo)
Preview – 13 de setembro (quarta-feira)
Horários: Dias 14 e 15 – quinta e sexta-feira – 14h às 21h
Dia 16 – sábado – 14h às 21h
Dia 17 – domingo – 14h às 19h
Ingressos: R$ 40 / R$ 20
Bilheterias no local nos dias de evento
Local: Marina da Glória - Av. Infante Dom Henrique, S/N – Glória
Estacionamento no local
Metrô – Estação Glória / Passarela em frente à Rua do Russel