Notícias

Voltar

10 exposições para visitar no final de semana em São Paulo

O último final de semana de setembro já chegou e com ele a oportunidade de visitar algumas das principais exposições que acontecem na capital paulista. Além das mostras em São Paulo, acontece durante o final de semana, no Rio de Janeiro, a oitava edição da ArtRio, esse ano com foco na produção brasileira. A feira internacional de arte carioca vai até o domingo (30/9).

A seguir você confere as principais mostras de artes visuais em cartaz em SP, selecionadas pelo InfoArt em parceria com o Clube de Colecionadores de Arte Contemporânea. Confira e programe já o passeio do final de semana!

EM CARTAZ
RAFAEL E A DEFINIÇÃO DA BELEZA - DA DIVINA PROPORÇÃO À GRAÇA
ARTISTAS: RAFAEL E OUTROS
CURADORIA: ELISA BYINGTON
ATÉ 16/12
CENTRO CULTURAL FIESP

A obra de Rafael, o mais jovem da tríade formada também por Leonardo da Vinci e Michelangelo, se inspira tanto na Antiguidade Clássica quanto na natureza, materializando-se como síntese de elegância e naturalidade. Na exposição que antecipa às celebrações que marcam os 500 anos de morte de Rafael de Urbino (1483-1520), estão expostas obras de grandes mestres do Renascimento de diversas coleções italianas e do próprio artista, considerado o maior e mais perfeito representante da Idade de Ouro do Renascimento - os primeiros anos do século XVI que abarcam um dos mais ricos e importantes períodos da história da arte ocidental. Saiba mais.

Marcantonio Raimondi, O Massacre dos Inocentes, c. 1510, 283 x 434. Acervo Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro. Fundação Biblioteca Nacional.

33ª BIENAL DE SÃO PAULO - AFINIDADES AFETIVAS
ARTISTAS: VÁRIOS
CURADORIA: GABRIEL PÉREZ-BARREIRO E OUTROS
ATÉ 9/12
FUNDAÇÃO BIENAL DE SÃO PAULO

A 33ª Bienal de São Paulo vai privilegiar questões sobre a atenção, a experiência individual do espectador e dos artistas participantes. Nesta edição a bienal apresenta um modelo alternativo ao de temática única, trazendo doze projetos individuais selecionados pelo curador-geral e sete mostras coletivas organizadas pelos artistas-curadores convidados Alejandro Cesarco, Antonio Ballester Moreno, Claudia Fontes, Mamma Andersson, Sofia Borges, Waltercio Caldas e Wura-Natasha Ogunji. O título não pretende direcionar a exposição tematicamente, mas caracteriza sua organização a partir de afinidades artísticas e culturais entre os envolvidos. Presença e atenção são as premissas dessa edição, numa reação a um mundo de verdades prontas, no qual a fragmentação da informação e a dificuldade de concentração levam à alienação e à passividade. Saiba mais.

Sofia Borges, Pintura, Cérebro e Rosto, 2017. Pigmento mineral sobre papel algodão, 150 x 230 cm. Cortesia da artista.

MAM 70: MAM E MAC USP
ARTISTAS: VÁRIOS
CURADORIA: ANA MAGALHÃES, HELOUISE COSTA E FELIPE CHAIMOVICH
ATÉ 16/12
MAM - MUSEU DE ARTE MODERNA

A mostra reúne obras, artistas e ações pioneiras que marcaram a trajetória da instituição, fundada em 1948, umas das primeiras no Brasil dedicadas a colecionar e exibir arte moderna. Desde o início, o museu buscou formar uma coleção por meio de mostras prospectivas, desenvolver uma prática pedagógica, expandir o campo da fotografia como arte e antecipar os rumos das tendências artísticas futuras. Agora o museu revisita esses quatro princípios através de aproximadamente 100 obras de sua coleção, buscando enxergar o futuro que se constrói a partir de uma história já consolidada no Brasil e no exterior. Saiba mais.

MAC Paulista, por Mauro Restiffe. Foto: Divulgação.

AI-5 50 ANOS – AINDA NÃO TERMINOU DE ACABAR
ARTISTAS: VÁRIOS
CURADORIA: PAULO MIYADA
ATÉ 4/11
INSTITUTO TOMIE OHTAKE

A mostra busca discutir os custos da retirada de direitos democráticos para o imaginário cultural do País, em resposta aos 50 anos do Ato Institucional No. 5, marco do agravamento do totalitarismo da ditadura civil-militar brasileira (1964-1985). A pesquisa tem como núcleo a produção de artes visuais do período, com obras, ideias e iniciativas que nasceram em tensão com a interdição da própria opinião política, que chegou a ser virtualmente criminalizada pelas práticas de censura e repressão. Em alguns casos, as obras reunidas foram proibidas, destruídas ou subsistiram ocultas; em outros, sua circulação foi seriamente contida e seus modos de expressão passaram por codificações e táticas de resistência. A exposição ainda apresenta ao público uma série de textos e documentos históricos de contextualização. Saiba mais.

Queda do motociclista da Força Aérea do Brasil, 1965. Foto: Evandro Teixeira/Divulgação.

AROMAS E SABORES
ARTISTAS: MAKI UEDA
CURADORIA: FELIPE RIBENBOIM
ATÉ 21/10
JAPAN HOUSE SÃO PAULO

A exposição lúdica, interativa e bastante didática propõe um passeio pela diversidade de cheiros e sabores em uma imersão na cultura japonesa pelo viés sensorial. Na mostra é trabalhado o universo da construção de fragrâncias e cheiros por meio de elementos característicos do Japão, como o wasabi, o shoyu e o bambu, além de outros presentes em alimentos, bebidas, perfumes e incensos. Saiba mais.

A entrada na exposição é livre e gratuita. Foto: Maki Ueda.

MULHERES RADICAIS: ARTE LATINO-AMERICANA, 1960-1985
ARTISTAS: VÁRIAS
CURADORIA: CECILIA FAJARDO-HILL E ANDREA GIUNTA
ATÉ 19/11
PINACOTECA DO ESTADO DE SÃO PAULO

A exposição é a primeira na história a levar ao público um significativo mapeamento das práticas artísticas experimentais realizadas por artistas latinas e a sua influência na produção internacional. Ao todo, quinze países estarão representados por cerca de 120 artistas - algumas das artistas mais influentes do século XX, como Lygia Pape, Cecilia Vicuña, Ana Mendieta, Anna Maria Maiolino, Beatriz Gonzalez e Marta Minujín -, reunindo mais de 280 trabalhos em fotografia, vídeo, pintura e outros suportes. O recorte cronológico da mostra coletiva (1960-1985) é tido como decisivo tanto na história da América Latina, como na construção da arte contemporânea e nas transformações acerca da representação simbólica e figurativa do corpo feminino. Saiba mais.

Marie Orensanz, Limitada, 1978/2013. Fotografia em preto e branco, 35 x 50 cm. Coleção de Marie Orensanz; Cortesia Alejandra von Hartz Gallery.

CENTENÁRIO
ARTISTA: IRVING PENN
CURADORIA: MARIA MORRIS HAMBOURG
ATÉ 18/10
INSTITUTO MOREIRA SALLES PAULISTA

A exposição, exibida pela primeira vez no Metropolitan Museum of Art (The Met), em Nova York, apresenta um panorama da produção do fotógrafo norte-americano Irving Penn que, além de trabalhos inovadores no campo da moda, produziu retratos, naturezas-mortas, nus femininos, peças publicitárias, entre outras obras. São mais de 230 fotografias, concebidas ao longo de quase 70 anos de carreira, além de cerca de 20 periódicos - conjunto que evidencia a ampla variação temática do artista. Saiba mais.

Irvin Penn, Rochas Mermaid Dress. Lisa Fonssagrives.

100 ANOS DE ATHOS BULCÃO
ARTISTA: ATHOS BULCÃO
CURADORIA: MARÍLIA PANITZ E ANDRÉ SEVERO
ATÉ 15/10
CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL

A exposição celebra o centenário do artista brasileiro conhecido pela diversidade de sua obra e sua inegável importância histórica e cultural. Além dos famosos painéis de azulejo, como o do Memorial da América Latina, o artista demonstra sua criatividade e apuro estético de diversas outras formas, como em gravuras, pinturas e figurinos. O caráter urbano e democrático da produção do artista se evidencia em mais de 300 obras, incluindo trabalhos inéditos. Saiba mais.

A exposição tem entrada livre e gratuita. Foto: Diego Bresani.

ÚLTIMOS DIAS
EQUAÇÕES DA METRÓPOLE
ARTISTAS: VÁRIOS
CURADORIA: HENRIQUE SIQUEIRA E MÔNICA CALDIRON
ATÉ 30/9
CASA DA IMAGEM E SOLAR DA MARQUESA DE SANTOS

Com entrada livre e gratuita, a mostra traz 124 obras do acervo fotográfico do Museu da Cidade de São Paulo e dois filmes de Benedito Junqueira Duarte que juntos retratam o processo de transformação de um vilarejo em uma grande metrópole. A exposição abrange um período de 140 anos (entre 1862 e 2002), através dos trabalhos de fotógrafos como Aurélio Becherini, Cristiano Mascaro, Edison Pacheco de Aquino, German Lorca, Ivo Justino, Marc Ferrez, Sérgio Jorge, Valério Vieira, entre outros. Saiba mais.

Viaduto do Chá nos anos 1940: ainda sem os arranha-céus. Foto: Divulgação/Acervo Museu da Cidade.

ESCADABSTRATA
ARTISTA: JOSÉ DAMASCENO
ATÉ 29/9
GALERIA MILLAN

A primeira individual do artista carioca ocupa simultaneamente a Galeria Millan e o Anexo Millan, na Vila Madalena, e reúne um conjunto de 11 novos trabalhos em diferentes formatos e suportes: são instalações, esculturas, gravuras, pinturas e uma fotografia. José Damasceno possui a capacidade de produzir pequenos e grandes objetos, além de interferir em ambientes de grande escala, de dialogar com projetos arquitetônicos e imaginar situações fabulosas, transformando a própria natureza e as funções originais das matérias e dos espaços. A entrada é livre e gratuita. Saiba mais.

José Damasceno, Jardim Infravermelho. Foto: José Damasceno/Divulgação.

Para saber mais sobre essas e outras exposições em cartaz em São Paulo confira a agenda do InfoArtSP.