AGENDA CULTURAL

Voltar

Tesouros Paulistas

Artistas: Varios

Curadoria: Ana Cristina Carvalho

De 13/12 a 28/2

Galeria de Arte do SESI Ver mapa

Endereço: Avenida Paulista, 1313 - Cerqueira César

Telefone: (11) 3146-7405

Obras de Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Cândido Portinari e Tomie Ohtake fazem parte da mostra gratuita, que fica em cartaz de 13 de dezembro a 28 de fevereiro. Vindas do acervo dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo, as 322 peças traçam um panorama do período colonial ao Modernismo.

A exposição Tesouros Paulistas, que estreia no dia 13 de dezembro na Galeria de Arte do SESI-SP, no Centro Cultural Fiesp, reúne uma seleção inédita de peças do cotidiano dos Palácios dos Bandeirantes (São Paulo) e Boa Vista (Campos do Jordão). As obras, que vão do período colonial ao Modernismo brasileiro, ficam em cartaz diariamente, das 10h às 20h, até 28 de fevereiro. A entrada é gratuita.

Dividida em três núcleos temáticos – Memória das Coleções; O objeto como crônica de costumes e A figura como expressão –, a exposição apresenta 322 obras, algumas reconhecidas por instituições internacionais, como é o caso do Museu de Arte Moderna (MoMA). Prestigiado, o museu nova-iorquino já fechou um acordo para que os quadros de Tarsila do Amaral, que estarão expostos primeiramente na exposição Tesouros Paulistas, sigam para uma temporada em solo norte-americano em 2018.

Uma mesa digital, em que o visitante vai poder ver projeções das peças acompanhadas pelas histórias de seus diversos usos ao longo do tempo, além de algumas curiosidades sobre elas, também fará parte da mostra.

Tarsila do Amaral. Retrato de Mario de Andrade, 1922

“Essa é uma exposição que revela não só as próprias obras, mas os seus contextos de tempo e de espaço. É uma grande oportunidade de levar ao público da Av. Paulista obras importantes da história da arte brasileira, preservadas há mais de um século nos palácios do governo de São Paulo”, comenta a curadora do Acervo Artístico-Cultural dos Palácios Ana Cristina Carvalho.

Colecionismo: Algo Antigo, Algo Novo.
Mobiliário, objetos decorativos e utilitários, pinturas, esculturas e gravuras dão as boas-vindas aos visitantes logo na entrada da mostra. As peças, adquiridas para integrar o cotidiano doméstico dos palácios – verdadeiros museus-casa –, revelam a moda colecionista de decoração da época em que foram adquiridas.

De um lado, o passado colonial do Brasil está presente nos móveis e imagens sacras. Os períodos imperial e a primeira república estão representados nas porcelanas importadas da Europa, com influências principalmente francesas. De outro, a vasta coleção de arte moderna brasileira que destaca expoentes do movimento: desde os pioneiros Anita Malfatti (A Ventania,1915) e Victor Brecheret (Bailarina, déc. 1920), até os consolidadores Tarsila do Amaral (Operários, 1933); Alfredo Volpi (Bandeirinhas, 1970), Clóvis Graciliano (Frevo, 1953), entre outros.


Tarsila do Amaral. Operarios, 1933

O visitante ainda poderá conferir exemplares de movimentos artísticos importantes como o Abstracionismo, com Tomie Ohtake (Cinza e Vermelho, 1977) e Samson Flexor (Formas Superpostas, 1951); a linguagem figurativa de Cândido Portinari (Bandeirante, 1955), Di Cavalcanti (Mulher e Paisagem, 1931), Flávio de Carvalho (Retrato de Ana Maria Fioca, 1951) e Tomás Santa Rosa (Natureza morta, s/data); além de algumas peças da arte sacra brasileira, como São José de Botas, de Aleijadinho.


Samson Flexor. Formas Superpostas, 1951. 

A coleção de louçaria histórica conduzirá o visitante por uma viagem ao estilo de vida do início do século XX. Mais do que utensílios, as peças monogramadas das antigas famílias paulistas e marcadas com os brasões dos serviços de banquete dos Palácios do Governo evocam momentos célebres do cotidiano palaciano, como a ocasião da visita da família real britânica ao Brasil em 1968.

Diário de Uma Viagem Ao Amazonas.
Outro destaque é a série de 100 pinturas do artista pernambucano José Cláudio da Silva. As telas são resultado de uma expedição à região amazônica, liderada pelo zoólogo e compositor brasileiro Paulo Vanzolini, em 1975. Durante a viagem, o pintor retratou o dia a dia dos povos ribeirinhos e as paisagens exuberantes da região.

O público poderá ouvir, durante a visita, os detalhes da viagem e curiosidades da produção das telas expostas contados em áudio pelo próprio artista. 

Sobre o Acervo de arte dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo
O acervo de arte dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo reúne peças que acompanham a história dos edifícios, desde a primeira sede de governo, no Pateo do Collegio (1765 a 1932), aos palácios dos Campos Elíseos (1911 a 1965), do Horto (1949 a 2012), dos Bandeirantes e Boa Vista (ambos desde 1964).

Serviço:
Tesouros Paulistas – Coleções de arte dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo
Período: de 13 de dezembro de 2016 a 28 de fevereiro de 2017
Horário: diariamente, das 10h às 20h (com entrada até 19h40)
Local: Galeria de Arte SESI-SP (Av. Paulista, 1313 – em frente à estação Trianon-Masp do Metrô)
Classificação indicativa: Livre
Grátis.