AGENDA DAS ARTES

Voltar

Siron Franco em 38 obras: 1974 a 2017

Artistas: Siron Franco

Curadoria: Gottfried Stützer e Matheus Araujo de Andrade

De 22/7 a 24/9

Biblioteca Mário de Andrade Ver mapa

Endereço: Rua da Consolação, 94 - Centro

Telefone: (11) 3775-0002

Celebrando 70 anos, obras do artista goiano ocupam o térreo da biblioteca

Mais de 40 anos após sua participação na XII Bienal Internacional de São Paulo, quando premiado como Melhor Pintor Brasileiro, o artista Siron Franco inaugura exposição na Biblioteca Mário de Andrade no próximo dia 22 de Julho, a partir das 10h, com a presença do próprio artista. Siron Franco em 38 obras: 1974 a 2017 traz ao público paulista pinturas do artista após quase 10 anos de sua última exposição na cidade e fica na Mário até o dia 24 de setembro.

Pintor reconhecido desde a década de 70, também é escultor e desenhista, tendo começado a vida de artista ainda muito jovem, como retratista da elite goiana - trabalho este que auxiliava no sustento da família. Como voraz observador do cotidiano e de espírito questionador, encontrou no seu cotidiano fonte de inspiração para suas pinturas iniciais: a fauna e flora do Cerrado, as culturas indígenas e a arte pré-colombiana são elementos recorrentes em suas telas.


Siron Franco- Metamorfose (A).

Considerada pela crítica de arte Dawn Ades a “Guernica brasileira”, a série chamada Césio estará representada na mostra em dois quadros, além de um terceiro realizado dez anos depois e intitulado “Outros Gritos” e que também dialoga com a temática.

Quando o acidente radioativo envolvendo Césio-137 em Goiânia e que causou a morte de inúmeras vítimas, Siron produziu obras que marcaram uma grande ruptura em sua trajetória.

No mês em que Siron completa seu septuagenário, a exposição apresenta pinturas produzidas desde a década de 70 até obras recentes, com atenção especial para as produções de 2017 e suas cores variadas e expressivas, além de texturas transitando do transparente ao volumoso. Figurativos, seus temas são variados, com personagens e formas que emergem, enigmáticas, fazendo-nos tentar adivinhar o que virá a seguir.


Homenagem á farnese- série semelhantes.

Ao longo de seu meio século de carreira, Siron teve trabalhos representados em coletivas em todo o mundo e possui obras nos mais importantes museus do Brasil, como MNBA e MAM no Rio de Janeiro, MON em Curitiba, MASP, MAM, MAC e Pinacoteca de São Paulo. Já tendo passado pela fase conhecida como realismo fantástico, pela crítica social e política, hoje a pintura deSiron não se prende a nenhum tema específico.

Sua última exposição de pinturas foi em São Paulo há sete anos, onde apresentou "Segredos", e a atual apesar de não ser classificada como uma retrospectiva - pois dela não constam obras de séries como "O Curral", "Embalagens", Visões" e nem detalha as fases que marcaram sua obra - é um recorte expressivo de sua pintura.


Siron Franco- Outros Gritos. 

Segundo o curador Matheus Araujo de Andrade, a Mostra intenta ensejar novas experiências e olhares a partir de um universo pictórico bastante diferenciado daquilo que comumente se conhece sobre pintura, permeado das figuras, grafismos, cores e texturas que marcam o estilo próprio de Siron. “Em tempos incertos de máculas do passado ainda não superadas e de questões sociais latentes e urgentes, a obra de Siron nos serve como alerta e alento ao mesmo tempo, ressignificando a pintura e o olhar na imagem que produz e amalgamando em si aquilo que nos é vital - ainda que desconheçamos o que seja isto”, afirma.


Situação em azul. 

O também curador Gottfried Stützer vê na obra de Siron uma continuidade subjetiva, dando ao espectador a possibilidade desafiadora de acompanhar o desenvolvimento de seus temas enquanto se encanta novamente com sua arte. “Como ele diz, ‘se eu sou tocado por uma frase, por uma fala, uma história ou um quadro, isso repercute imediatamente e faz parar o que já comecei; então eu tenho essa liberdade, essa irresponsabilidade, não sei’, e disso resulta uma nova obra, exigindo de quem a vê uma amplitude de sentimentos considerável, um espírito aberto para captar o que está sendo visto. Isso torna cada exposição de novos trabalhos um desafio, com obras que podem soar discrepantes entre si mas que, ao fim, têm todas uma base comum, a ser decifrada pelo espectador. Não dá para sair incólume de uma mostra do artista: ela exige muito mais daquele visitante que se define como atento. O artista cobra essa atenção, essa análise compartilhada de entender sem necessidade de palavras”, completa.

Serviço:
Exposição: Siron Franco em 38 obras: 1974 a 2017
Local: Biblioteca Mário de Andrade
Abertura: 22/07, sábado, às 10h
Período da exposição: 22/07 a 24/09
Dimensões: Variadas - maior obra possui 2,0m x 3,0m
Estilos: Figurativo, óleo ou técnica mista sobre madeira ou tela
Curadoria: Gottfried Stützer e Matheus Araujo de Andrade