AGENDA CULTURAL

Voltar

O Triunfo da cor

Artistas: Vários

Curadoria: Guy Cogeval, Isabelle Cahn e Pablo Jiménez Burillo.

De 4/5 a 7/7

Centro Cultural Banco do Brasil Ver mapa

Endereço: Rua Álvares Penteado, 112 - Centro

Telefone: (11) 3113-3651

A Fundación MAPFRE e o Musée d’Orsay, em parceria com o Centro Cultural Banco do Brasil, trazem ao país os mestres do pós-impressionismo. A mostra "O triunfo da cor. O pós-impressionismo: obras-primas do Musée d’Orsay e do Musée de l’Orangerie" apresenta 75 obras de 32 artistas que, a partir do fim do século XIX, buscaram novos caminhos para a pintura. A exposição será inaugurada no CCBB São Paulo, onde fica em cartaz de 4 de maio a 7 de julho, e segue para o CCBB Rio de Janeiro, onde permanecerá aberta ao público entre 20 de julho e 17 de outubro. A curadoria é assinada pelo presidente do Musée d’Orsay, Guy Cogeval, pelo diretor cultural da Fundácion MAPFRE, Pablo Jiménez Burillo, e pela curadora do Musée d’Orsay, Isabelle Cahn.

Georges Lemmen (1865-1916), Plage à Heist [Praia em Heist], 1891 - óleo sobre madeira, 37,5 x 46 cm. Paris, Musée d'Orsay (© RMN-Grand Palais (musée d'Orsay) / Gérard Blot)

A exposição apresenta obras-primas de uma geração de artistas que sucede aos impressionistas, e que recebe do crítico inglês Roger Fry a designação de pós-impressionista.

São obras de nomes como Van Gogh, Gauguin, Toulouse-Lautrec, Cézanne, Seurat e Matisse, grandes mestres da pintura moderna, que promoveram uma verdadeira revolução estética por meio do uso da cor.

"O Triunfo da Cor" se organiza em 4 módulos, que apresentam os 75 trabalhos provenientes dos museus d’Orsay e de l’Orangerie, ambos sediados em Paris.

Vincent van Gogh (1853-1890), Fritillaires couronne impériale dans un vas de cuivre [Fritilárias coroa-imperial em vaso de cobre], 1887 - óleo sobre tela, 73,3 x 60 cm. Paris, Musée d'Orsay (© RMN-Grand Palais (musée d'Orsay) / Hervé Lewandowski)

A cor científica (módulo 1)
O módulo apresenta uma seleção de obras de artistas motivados pelos estudos desenvolvidos pelo cientista Michel Eugene Chevreul sobre a técnica neoimpressionista de aplicar na tela pontos justapostos de cores primárias. O olho do espectador passa a recompor à distância a aplicação do pontilhado das cores complementares e contrastantes. Seurat, expoente do pontilhismo, influencia também Van Gogh, que desembarca em Paris em 1886 e que, sob o efeito imediato do contato com a pintura moderna parisiense, passa a utilizar uma paleta de cores vivas.

Léo Gausson (1860-1944), La Maison [A casa], entre 1886 e 1888 - óleo sobre tela, 33 x 41,5 cm. Paris, Musée d'Orsay (© Musée d'Orsay, Dist. RMN-Grand Palais / Patrice Schmidt)

No núcleo misterioso do pensamento. Gauguin e a Escola de Pont-Aven (módulo 2)
O módulo inclui uma série de obras que refletem a pesquisa realizada por Paul Gauguin e Émile Bernard a partir de uma pintura sintética, marcada pela presença do desenho nos contornos e nas silhuetas, valendo-se de cores simbólicas. A pintura passa a refletir um mundo interior, poético e espiritual. Gauguin confere à cor o papel revelador de uma dimensão simbólica da pintura e é ele o mentor de um grupo de artistas apresentados neste módulo.

Odilon Redon (1840-1916), Marguerites [Margaridas], 1901 - óleo, têmpera, carvão e pastel sobre tela, 123 x 149,5 cm. Paris, Musée d'Orsay (© RMN-Grand Palais (musée d'Orsay) / Hervé Lewandowski)

Os Nabis, profetas de uma nova arte (módulo 3)
O módulo tem como tema a ideologia estética do grupo de artistas que se definiu como profetas de uma arte nova e defendeu a origem espiritual da arte, fazendo uso da cor como um elemento transmissor dos estados de espírito. Entre os nabis, artistas como Maurice Denis, Vuillard, Maillol e Vallotton revelam uma paixão por temas da vida cotidiana e por uma dimensão misteriosa e sobrenatural que a cor confere a sua pintura.

Edouard Vuillard (1868-1940), Autoportrait octogonal [Autorretrato octogonal], cerca de 1890 - óleo sobre cartão, 35,9 x 28,1 cm. Paris, Musée d'Orsay (© Musée d'Orsay, Dist. RMN-Grand Palais / Patrice Schmidt)

A cor em liberdade (módulo 4)
Este módulo apresenta, por um lado, obras de artistas do final do século XIX, como Cézanne, que busca inspiração na Provence, e Paul Gauguin, que parte para o Taiti e se inspira na natureza tropical, além de obras de jovens artistas do início do século XX, que compartilhavam o gosto por uma composição ornamental em que a cor assume o protagonismo.

Claude Monet (1840-1926), Saule pleureur [Salgueiro-chorão], entre 1920 et 1922 - óleo sobre tela, 110 x 100 cm. Paris, Musée d'Orsay (© RMN-Grand Palais (musée d'Orsay) / Adrien Didierjean)

Apoiadores
A mostra conta com o patrocínio do Grupo Segurador Banco do Brasil e MAPFRE, do Banco do Brasil e da BB DTVM – empresas que vem se destacando com um amplo trabalho de fomento à cultura – e tem a chancela do Ministério da Cultura, por meio da Lei de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).

Esta é a segunda mostra que o Musée d’Orsay e a Fundación MAPFRE realizam no Brasil. A primeira foi a exposição "Impressionismo: Paris e a modernidade – Obras-primas do Musée d’Orsay", consagrada como a terceira mostra mais visitada no mundo no ano de 2012, representando um marco na formação de público e uma oportunidade única de contato com obras emblemáticas do patrimônio mundial.

A coordenação e a organização de "O triunfo da cor. O pós-impressionismo: obras-primas do Musée d’Orsay e do Musée de l’Orangerie" estão sob a responsabilidade da Expomus, empresa brasileira que atua há mais de 30 anos no mercado cultural.

Aristide Maillol (1861-1944), Profil de femme [Perfil de mulher], cerca de 1896 - óleo sobre tela, 73,5 x 103 cm. Paris, Musée d'Orsay (© Musée d'Orsay, Dist. RMN-Grand Palais / Patrice Schmidt)

Pós-impressionismo com horário marcado
Assim como em todas as exposições realizadas a partir do segundo semestre de 2015, os interessados em conhecer "O triunfo da cor. O pós impressionismo: obras-primas do Musée d’Orsay e do Musée de l’Orangerie", em São Paulo, poderão realizar gratuitamente o agendamento virtual das visitas, por meio do site Ingresso Rápido ou de aplicativo oferecido pelo CCBB (disponível para Android e iOS). Com o serviço, é possível planejar com facilidade o dia e o horário do passeio, evitando filas e aprimorando a experiência da visita.

Paul Gauguin, Femmes de Tahiti [Mulheres do Taiti] - óleo sobre tela, 69 x 91,5 cm. Paris, Musée d'Orsay (© RMN-Grand Palais (musée d'Orsay) / Hervé Lewandowski)

serviço
Exposição: "O Triunfo da cor. O pós-impressionismo: obras-primas do Musée d’Orsay e do Musée de l’Orangerie"
Datas e horários: De 4 de maio a 7 de julho de 2016. De quarta-feira a segunda-feira, das 9h às 21h. Agendamento online: opção de visitação com horário agendado pelo aplicativo “CCBB” (Apple Store e Google Play) e site bb.com.br/cultura, ou na bilheteria do CCBB, mediante disponibilidade.
Local: Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo | Rua Álvares Penteado, 112 - Centro.
Translado gratuito em São Paulo: Uma van faz o translado gratuito entre o estacionamento e o CCBB. No trajeto de volta, tem parada no Metrô República. Embarque e desembarque: na Rua Santo Amaro, 272 e na Rua da Quitanda, próximo à entrada do CCBB.
Entrada gratuita.