AGENDA DAS ARTES

Voltar

Ismael Nery: feminino e masculino

Artistas: Ismael Nery

Curadoria: Paulo Sergio Duarte

8/5 a 12/8

MAM - Museu de Arte Moderna Ver mapa

Endereço: Parque Ibirapuera, Portão 3 - Ibirapuera

Telefone: (11) 5085-1300

Entre os trabalhos selecionados estão nus, figuras humanas, retratos e autorretratos, que trazem à tona a personalidade de um artista voltado para o exercício simultâneo de diferentes linguagens formais de seu tempo, como o cubismo, o expressionismo e o surrealismo, e com obra calcada na androginia e na transgressão

O MAM – Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta até 12 de agosto a exposição Ismael Nery: feminino e masculino. A mostra reúne mais de 200 trabalhos. São figuras humanas, retratos e autorretratos, em pinturas, aquarelas, desenhos em nanquim e grafite, todos em pequenos formatos, selecionados pelo curador Paulo Sergio Duarte, que dividiu a mostra por temas: os nus, os retratos e autorretratos, as danças, os cenários, e o surrealismo.


Ismael Nery - Colecao Luiz Carlos Ritter - Foto Jaime Acioli

Segundo o curador, ao se observar o conjunto da obra de Ismael Nery (1900 – 1934), revelam-se três importantes características do artista: seu desprezo pelo mercado da arte, evidenciado na produção em pequenos formatos - alguns dos trabalhos cabem na palma da mão, ao contrário de seus contemporâneos modernistas. Outra característica do artista é seu perfil contraditório. “Ismael Nery era um dândi narcisista, basta observar a quantidade de retratos e autorretratos com sua mulher e musa, Adalgisa. A beleza do casal era evidente, e aliada à habilidade intelectual do artista em rodas de discussões polêmicas, contribuía para elevar sua vaidade”, diz o curador. “Isso vindo de um homem que se dizia católico e professava sua fé em discussões filosóficas em sua casa e na casa de amigos no Rio de Janeiro. Era exímio dançarino, era o que chamamos hoje de artista performático. Esse poço de contradições nos legou uma das obras mais provocantes da arte moderna no Brasil”, declara.


Ismael Nery - Foto Jaime Acioli

Outro ponto marcante do artista é sua coragem. Morto precocemente aos 33 anos, de tuberculose, o artista voltou-se, sem medo e com maestria, entre a década de 1920 até o início dos anos 1930, para o exercício simultâneo das correntes artísticas mundiais, como o cubismo, o expressionismo e o surrealismo. Era avesso às questões modernistas brasileiras, que buscavam uma identidade nacional através dos traços e dos símbolos.

A coragem transparece também na abordagem de sua temática favorita, a ambivalência e a ambiguidade de gênero.  “Ele alcança colocar numa mesma obra as duas situações no tratamento da questão de gênero, como em Duas figuras [s.d. grafite sobre papel], onde duas mulheres se beijam, uma branca e uma negra. Em outra, Namorados em traje de banho [s.d. Aquarela sobre papel] há a ambiguidade homem/mulher, ambos com corpos muito parecidos. Isso se repete em vários desenhos e pinturas”, comenta Paulo Sergio Duarte.


Ismael Nery - Foto Jaime Acioli

O curador prossegue: “A coragem de exercer uma transgressão formal é manifestada em inúmeras obras, como a surrealista Duas figuras e perfil [aquarela sobre papel], que na verdade apresenta quatro figuras, entre elas, a que se impõe é um ciclope negro de olho vermelho, além de uma sombra e uma figura confusa de mulher.”

De família abastada, Ismael Nery teve a oportunidade rara entre intelectuais brasileiros de viajar para a Europa. Em sua última visita ao continente (1927), conheceu André Breton, autor do Manifesto Surrealista (1924), quando frequentava o ateliê de Chagall. Foi um dos precursores do surrealismo no Brasil, ao lado de Cícero Dias. 

O Curador:
Paulo Sergio Duarte é curador, crítico e professor-pesquisador do Centro de Estudos Sociais Aplicados (CESAP) da Universidade Candido Mendes e da Escola de Artes Visuais – Parque Lage, no Rio de Janeiro. Entre suas curadorias mais recentes encontram-se as retrospectivas de Lygia Clark (2012), em parceria com Felipe Scovino, e de Sergio Camargo (2015), em parceria com Cauê Alves, no Itaú Cultural, em São Paulo, esta última também exibida na Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre; a retrospectiva de Amilcar de Castro (2014-2015), no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro; a individual “Antonio Dias – Potência da pintura” (2015), na Fundação Iberê Camargo, e “Guignard – A memória plástica do Brasil moderno” (2015), no Museu de Arte Moderna de São Paulo.

Serviço:
Ismael Nery: feminino e masculino
Abertura: 8 de maio de 2018 (terça-feira), a partir das 20h
Visitação: 9 de maio a 12 de agosto de 2018
Horários: Terça a domingo, das 10h às 17h30 (com permanência até as 18h)
Ingresso: R$ 7,00 | meia-entrada: R$ 3,50
Entrada gratuita aos sábados