AGENDA CULTURAL

Voltar

Greve Geral

Artistas: Varios

Curadoria: Laboratório de Curadoria e Criação MAM

De 5/9 a 18/12

MAM - Museu de Arte Moderna Ver mapa

Endereço: Parque Ibirapuera, Portão 3 - Ibirapuera

Telefone: (11) 5085-1300

Fruto do curso Laboratório de Curadoria e Criação do museu, exposição é montada por alunos que selecionaram obras que exibem circunstâncias de suspensão e paralisia do trabalho. Com supervisão da curadora Veronica Stigger, são expostas produções de German Lorca, Marcelo Nitsche, José Leonilson, Sandra Cinto, Cláudio Tozzi e Regina Silveira

Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta a exposição Greve Geral, elaborada por alunos do curso Laboratório de Curadoria e Criação, sob supervisão da curadora Veronica Stigger. A mostra conta com 23 obras do acervo do MAM e é apresentada na biblioteca, no corredor de acesso dos profissionais da instituição e no saguão do museu. Intitulado de A idade do ócio, o curso foi realizado no próprio museu, tanto no segundo semestre de 2015 quanto nos primeiros meses deste ano. Os 16 participantes desenvolveram a linha curatorial, idealizaram a comunicação visual e escolheram produções de diferentes suportes que demostram situações de interrupção imprevistas do trabalho.


Contini, Carlito. Sem titulo, 1983. Foto Ding Musa.

Segundo Veronica Stigger, vivemos em uma sociedade que transforma o trabalho no valor mais alto para preservar melhor as relações sociais e, principalmente, a produção. “Daí que toda forma de suspensão imprevista das atividades como a preguiça, o ócio e, sobretudo, a greve sejam sempre vistas como modos de resistência política”, explica a curadora. “Não por acaso, a mostra começa em um dos interstícios de espaços de trabalho do museu, o corredor de acesso, para se desenvolver na biblioteca”.

A exposição conta com obras que sugerem uma fuga da labuta e convidam ao repouso e à preguiça como as fotografias de Otto Stupakoff e Juan Esteves, o desenho de Eduardo Iglésias e a xilogravura de Eduardo Cruz. Outras produções demostram a inoperância da máquina capitalista como a serigrafia Desestrutura para executivos I, de Regina Silveira, além da imagem de uma engrenagem na pintura de Sergio Niculitcheff e o desenho de pregos de Cláudio Tozzi. Há, ainda, a peça de acrílico A câmara clara, de Nelson Leirner, que recusa a própria condição de obra. A contradição fica por conta da suposta artificialidade de uma família saindo de férias na fotografia Aero Willys, de German Lorca.


Bisilliat, Maureen. Sem titulo. Série Caranguejeiras, 1968-2002. Foto Jorge Bastos.

Outro ponto alto da mostra é que haverá um rodízio das obras selecionadas no meio do período de exposição, quando as produções feitas em papel serão trocadas por outras com o objetivo de exibir ainda mais obras do acervo do museu. Para complementar, o espaço expositivo da biblioteca propicia a exibição de livros e catálogos abertos em páginas que também exploram o tema da exposição.

 

Serviço:
Greve Geral
Curadoria: Veronica Stigger e 16 alunos do curso Laboratório de Curadoria e Criação do MAM
Local: Biblioteca, corredor dos funcionários e saguão
Abertura: 5 de setembro (segunda-feira), às 20h
Visitação: até 18 de dezembro
Entrada: R$ 6,00