AGENDA DAS ARTES

Voltar

Elefante Branco com paninho em cima

Artistas: Vários

Curadoria: Ana Maria Maia

De 21/6 a 31/7

MIS - Museu da Imagem e do Som Ver mapa

Endereço: Avenida Europa, 158 - Jardim Europa - São Paulo - SP CEP 01449-000

Telefone: (11) 2117-4777

O Paço das Artes inaugura no dia 21 de junho, terça-feira, às 19h, a mostra da residência curatorial de Ana Maria Maia. A exposição "Elefante branco com paninho em cima" fica em cartaz no Museu da Imagem e do Som (MIS), instituição parceira do Paço das Artes, até 25 de julho. A entrada é gratuita. Criado em 2014 por Priscila Arantes (diretora artística e curadora do Paço das Artes), o programa visa fomentar a produção e a pesquisa sobre a arte contemporânea. “A Residência Paço das Artes é destinada a artistas e curadores já inseridos no sistema das artes. Essa característica o diferencia da convocatória da Temporada de Projetos, que desde 1997 seleciona artistas e curadores em início de carreira”, diz Priscila Arantes.

Durante três meses de residência, Ana Maria Maia investigou o valor social das representações da juventude na arte, editais para jovens artistas, e a maneira como os artistas se enxergam e projetam a própria imagem por meio de seus trabalhos. O resultado deste processo de pesquisa, discussões e encontros poderá ser visto agora nesta exposição, que reúne obras de nomes da cena da jovem arte contemporânea e trabalhos de renomados artistas. Na lista, estão Antonio Manuel, Anna Bella Geiger, Ana Mazzei, Antonio Celso Sparapan, Amanda Melo, Daniel Jablonski, Daniel Lie, Daniel Santiago, Fabiana Faleiros, Fernando Peres, Irma Brown, Laura Lima, Leonilson, Manuela Eichner, Selvagens Nocivos (Marilá Dardot, Rodrigo Matheus, Sara Ramo), Marcia X, Paulo Nazareth, Rafa Campos Rocha, Rafael RG e rejeitados (desta vez um diálogo de Graziela Kunsch e Jorge Menna Barreto com Ana Maria Maia). Na abertura da mostra, ocorrerá a performance Xerografia do Natural, de Daniel Santiago.

Ana Maria Maia explica que o trabalho foi dividido em duas frentes: um levantamento de projetos artísticos (autorretratos) que tangenciam esse problema e, em paralelo, foi promovido o Comitê da Juventude (Ana Maria Maia, Daniel Jablonski, Ícaro Vilaça, Júlia Ayerbe e Manuela Eichner), um grupo de trabalho, colaboração e leituras de textos que tratam da ideia de juventude como um marcador social da diferença, que envolve critérios biológicos e comportamentais.

“Esta mostra é fruto de uma pesquisa sobre as representações da juventude na arte, pela ótica dos artistas, que acumulam funções de criadores e criaturas nessa lógica de produção em série de sujeitos singulares. Quais são suas respostas às instituições e ao mercado? Como representam a si próprios e seus paradigmas de tempo, trabalho e geração, em comentário e/ou resistência às expectativas que os cercam?”, diz a curadora.

Foto: Antonio Celso Sparapan - "Atitude paralela" (1972)

ENCONTROS PÚBLICOS
Terça-feira, 21/6/2016, 20h, na sala de exposição.
Xerografia do Natural, performance de Daniel Santiago
Inscrita no V Salão Nacional de Artes Plásticas, no Rio de Janeiro, em 1982, mas só realizada no Ateliê Guaianazes, em Olinda, naquele mesmo ano, a performance consiste na produção de retratos do público pelo artista, na noite de abertura da exposição. Usando uma base de vidro para desenho com caneta hidrográfica e uma máquina xerox, Santiago representa e reinventa identidades, passíveis ainda de cópias e do descarte enquanto registro de uma ação efêmera.

Quarta-feira, 22/6/2016, 19h, no auditório do MIS
Juventude e invisibilidade, palestra com Guita Debert, Jaime Lauriano e mediação de Fabio Zuker.
Nesse encontro, se pretende complexificar o problema da juventude na arte e na sociedade, observando temáticas correlatas ao mesmo, embora que não dotadas de similar visibilidade. A antropóloga Guita Debert falará da velhice e o artista Jaime Lauriano de negritude.

Quinta-feira, 23/6/2016, 19h, no auditório do MIS
Comitê da juventude: a montagem de um diagrama de trabalho, debate com Ana Maria Maia, Daniel Jablonski, Ícaro Vilaça, Júlia Ayerbe e Manuela Eichner.
Relato dos integrantes do núcleo criativo dessa exposição sobre a busca de um método de trabalho coletivo e transversal e sobre as articulações e disputas de conceitos inerentes ao problema da juventude, como “tempo”, “trabalho”, “autorretrato” e “geração”.

 

serviço
Exposição: "Elefante branco com paninho em cima" com curadoria selecionada de Ana Maria Maia na Residência Paço das Artes.
Datas e horários: Abertura dia 21 de junho de 2016, terça-feira, às 19h (na ocasião, ocorrerá a performance “Xerografia do Natural”, de Daniel Santiago). Em cartaz até 25 de julho de 2016. De terça a sexta-feira, das 10h às 21h; sábado, das 9h às 22h; domingo e feriado, das 11h às 20h.
Local: MIS - Museu da Imagem e do Som | Av. Europa, 158, Jardim Europa. 
Entrada franca.