AGENDA DAS ARTES

Voltar

Dudha Devi

Artistas: Beatriz Tambelli e Caroline Paternostro

Curadoria: Emmanuelle Saeger Carvalho

De 2/7 a 12/7

apArt Private Gallery Ver mapa

Endereço: Jardins - São Paulo (Sob consulta)

Telefone:

A partir do dia 2 de julho, a apArt Private Gallery apresenta, com curadoria de Emmanuelle Saeger Carvalho, a mostra "Dudha Devi", da artista paulista Beatriz Tambelli. Composta por dezesseis trabalhos e com a coautoria da fotógrafa baiana Caroline Paternostro, a mostra tem como tema as entidades femininas – a Deusa do Amor, da Verdade Suprema, da Oportunidade e do Equilíbrio - e permanece aberta para visitação sob agendamento até o dia 12 de julho.

Sobre Beatriz & Caroline
Beatriz Tambelli é uma artista extremamente sensível com um trabalho tocante, provocador, instigante, e ao mesmo tempo delicado e profundo, que reflete sua busca intelectual e espiritual. E é isto que a torna um talento com consistência estética, constância de trabalho e uma criatividade incessante. Com um calendário de exposições para este ano em várias cidades brasileira e no exterior, e já tendo o aval de grandes colecionadores e instituições que adquiriram suas obras, o que significa um início de trilha fundamental na construção da carreira de qualquer novo artista, Beatriz Tambelli, nos seus vinte e seis anos, produz um trabalho significativo, denso e coerente na arte contemporânea brasileira.

Caroline Paternostro é uma fotógrafa baiana com formação em jornalismo especializado no universo feminino, tem um olhar mágico e único, capta em diferentes formas, cores e poesia tudo o que vê. Escolheu a fotografia como profissão, pois sentiu a necessidade de expressar e interpretar seu mundo para outras pessoas. Em seu trabalho o que fica claro é que sua sensibilidade ao captar sentimentos permite que a imagem extrapole o meio físico do papel. Neste projeto foi coautora realizando as fotografias.

O processo técnico
As obras são criadas através de um processo técnico onde inicialmente são pintados corpos de mulheres como telas, para em seguida colocá-las numa piscina de leite, sendo esse processo registrado através de fotografia. Alguns críticos chamam este trabalho de uma espécie de “site specificity documentado através da fotografia” realizados por Caroline. Outros abordam esse material apenas como fotografia.

A pintura dos corpos engloba também a forma com que cada modelo incorpora a sua personagem, como se movimenta quando no leite, a escolha da artista de cada elemento para seu foco, e a interferência constante da pintora quando destes momentos. Em seguida, com os corpos deixando de serem telas, passam a se constituir em esculturas vivas quando são fotografados para o registro final, o que será exibido e observado pelos espectadores.

“Este meu registro nos faz pensar não apenas na relação espectador e obra de arte, mas no lugar habitado por estes corpos, figuras femininas, impactantes, fortes e, ao mesmo tempo, delicadas, conectando todo um ambiente orgânico e natural e remetendo a uma estética futurista. São imagens em constante questionamento, que geram um jogo de conforto e desconforto ao mesmo tempo”.

A artista
Beatriz Tambelli nasceu em Bauru, estado de São Paulo, em 10 de setembro de 1987. Desde pequena mostrava que seguiria por um caminho criativo. Incentivada pelos pais, que perceberam a sua habilidade em desenhar, aos oito anos ingressa na primeira Escola de Arte, em Campinas, passando a conhecer técnicas de desenho.

Com o correr do tempo e após ter frequentado outras escolas artísticas, encanta-se ao descobrir na Arte não simplesmente a história do Mundo, mas um meio de transformação deste Mundo. Forma-se Bacharel em Artes Plásticas pela Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo, em 2009. Anteriormente mora em 2007 na Itália. “Acredito que "ser artista" está além da escolha, sendo a minha obra uma extensão do meu ser”, diz Beatriz.

A curadora
Emmanuelle Carvalho é designer por formação. Há três anos tem uma galeria de arte – Hotel Galeria – na cidade de São Paulo. Com esta mostra inicia um calendário de exposições em Salvador, e em outras cidades do Nordeste. Com duas pós-especializadas em Ciências do Consumo e Comunicação com o Mercado, atuou a maior parte da carreira em Planejamento Estratégico de agências de publicidade (DM9, Talent, Fischer, Jwt).

“Acho que os estudos antropológicos, comportamentais, me ajudaram a ter uma cabeça mais vanguardista, ousada em relação ao que entendo como arte e daí ter aberto a galeria com um projeto que aliava arte e gastronomia três anos atrás. Desde então procuro sempre ter algo mais avant garde, como as tarde de música experimental que comecei também em 2012. Acredito nos polos: de um lado o consagrado, a tradição, o tecnicamente perfeito, ou o de grande riqueza intelectual que mexe na nossa cultura, política, hábitos e costumes abrindo espaço para novas formas de pensar e sentir. Mas por outro lado gosto de experimentar, de usar meu espaço como um laboratório vivo de novas ideias e de novos artistas. Estrategicamente é mais arriscado trabalhar com o que é novo, mas acho que estou nova ainda, e ainda da para realizar as duas coisas”.

Emmanuelle também foi eleita um dos grandes nomes da nova geração da arte, única galerista entre um grupo de jovens artistas e curadores eleitos por grandes nomes como Bernardo Mosqueira, Rose Klabin, Luciana Brito, Felipe Dmab, Fernanda Feitosa entre outros.

serviço:
Exposição: "Dudha Devi", de Beatriz Tambelli e coautoria de Caroline Paternostro.
Datas e horários: De 3 de julho a 12 de julho. Visitas agendadas pelo e-mail: ap.art@hotmail.com.
Local: sob consulta.