AGENDA DAS ARTES

Voltar

Conceição dos Bugres

Artistas: Conceição Freitas da Silva

Curadoria: Miguel Chaia

De 3/8 a 7/10

Galeria Estação Ver mapa

Endereço: Rua Ferreira de Araujo,625 Pinheiros

Telefone: (11) 3813 7253

Esta exposição na Galeria Estação, com curadoria do professor Miguel Chaia, é a primeira individual em São Paulo da artista nascida no Rio Grande do Sul que menina se mudou para o Mato Grosso. Foi em Campo Grande que Conceição dos Bugres viu o despontar e o amadurecimento de sua original produção. A mostra é uma oportunidade rara de se ver reunidos os trabalhos da escultora, já que estão dispersos em diferentes coleções particulares do Rio de Janeiro e de São Paulo.


Conceição dos Bugres- Sem título , s.d. Escultura em Madeira 27 x 13 x 22 cm.

Conceição Freitas da Silva (1914, Povinho de Santiago, RS – 1984, Campo, MS), conhecida como Conceição dos Bugres por eleger o índio o protagonista de toda a sua criação, construiu uma obra radical ao optar por um único tema e desdobrar de maneira singular forma e técnica infinitamente. Segundo o curador, a artista alcança um resultado de alto nível estético, fundamentado na repetição da igualdade e na especificidade da diferença. “Tema único, o índio. Forma básica, a cilíndrica. Com tais recursos parcimoniosos, Conceição produz uma das mais interessantes relações entre cultura e arte, expressando novos vínculos entre etnia e estética”, continua Chaia. Sem título, sem data.


Esq. 24 x 18 x 17 cm. Centro 33 x 26 x 24 cm. Direita 24 x 14 x 15 cm.

A artista, que começou esculpindo raiz de mandioca embaixo de árvores, ao passar para a madeira declarava que o material tem seu próprio potencial de gerar forma. A centralidade do índio na imagem de suas esculturas é atribuída ao seu conhecimento sobre uma mitologia na qual estaria envolvido um índio de cem anos atrás, portador de uma forma semelhante à de seus bugres. Cabe considerar também, que a vivência da artista se passa em Ponta Porã e Campo Grande e na fronteira com o Paraguai, regiões marcadas pela presença do povo Guarani. “Pode-se, inclusive, levantar a possibilidade de Conceição esculpir a imobilidade do índio, o momento congelado da violência, como uma consequência da sujeição do povo indígena no Brasil”, completa Chaia. 


Conceição dos Bugres- Sem título, s.d. Escultura em Madeira 67 x 25 x 26 cm.

Conceição dos Bugres emergiu na cena nacional a partir de um movimento artístico do centro-oeste, em meados dos anos 60, capitaneado pela crítica Aline Figueiredo e pelo artista plástico Humberto Espíndola, que discutia a questão nacional da arte para além do Rio de Janeiro e São Paulo. Em 1966, esse grupo realiza a 1ª Exposição de Pintura dos Artistas Matogrossenses, no Rádio Clube de Campo Grande, e, em 1967, cria a Associação Matogrossense de Arte. A partir de então esse movimento, em função dos esforços de Figueiredo e de Espíndola e dada a respeitabilidade que adquiriram em São Paulo e no Rio de Janeiro, ganha credibilidade e reconhecimento nacional. Ele não ocorre apenas em Mato Grosso, mas expande-se e articula todo o Centro-Oeste, incluindo artistas como Rubem Valentim, Siron Franco, João Sebastião Costa, Clóvis Irigaray e Dalva de Barros.

Serviço:
Exposição: Conceição dos Bugres
Abertura: 03 de agosto, às 19h
Visitação até 07 de outubro de 2017
Local: Galeria Estação.