AGENDA DAS ARTES

Voltar

Calder e a Arte Brasileira

Artistas: Varios

Curadoria: Luiz Camillo Osorio

De 1/9 a 23/10

Itaú Cultural Ver mapa

Endereço: Avenida Paulista, 149 - Cerqueira César

Telefone: (11) 2168-1777

Em Calder e a Arte Brasileira, o instituto Itaú Cultural lança luz sobre a influência no Brasil da obra do artista norte-americano, pioneiro da arte cinética, e traz à tona a importância de seu papel na formação do neoconcretismo no país.

A leveza, movimento e colorido da obra de Alexander Calder (1898-1976) em materiais como o metal, o ferro e o arame inundam os três andares do espaço expositivo do Itaú Cultural a partir do dia 31 de agosto, para convidados, e de 1 de setembro a 23 de outubro, para o público. Com curadoria de Luiz Camillo Osorio, e em parceria com a Expomus e a Calder Foundation, conduzida por Alexander S. C. Rower, neto do artista, em Nova York, a mostra Calder e a Arte Brasileira apresenta 60 peças – 32 do próprio artista, entre móbiles, guaches, maquetes, desenhos, óleos sobre tela e dois audiovisuais. Outras 28 são produções de 14 brasileiros, que revelam a proximidade de seu trabalho ao do artista.


Alexander Calder. Sem Título (1962). Arame e chapa de metal pintado. Coleção RIM. Foto cortesia: Calder Foundation, New York / Art Resource, New York

Nos anos 40 e 50, experimentalistas como Abraham Palatnik, Lygia Clark, Hélio Oiticica – cujo trabalho foi apresentado no Itaú Cultural em 2009, 2010 e 2012, respectivamente –, Willys de Castro, Judith Lauand, Lygia Pape, Waltercio Caldas, Antonio Manuel e Luiz Sacilotto também embarcaram no caminho da arte cinética influenciando gerações até hoje. A influência se detecta em Ernesto Neto, Franklin Cassaro, Carlos Belvilacqua, Cao Guimarães e Rivane Neuenschwander, igualmente presentes na exposição.


Alexander Calder. Digitais Escarlate (1945). Arame e chapa de metal pintado. Calder Foundation, New York. Foto cortesia: Calder Foundation, New York / Art Resource, New York

Segundo Camillo Osorio, a poética de Calder, cujo rigor construtivo ganha tonalidade lírica, é uma referência para os artistas brasileiros, com quem teve relação estreita, porém ainda pouco afirmada. Existem obras suas em coleções brasileiras desde os anos de 1940, por meio das quais pode se seguir o rastro de sua influência na vanguarda do país. O movimento presente nos móbiles do norte-americano, por exemplo, está também na série de Bichos, de Lygia Clark, nos relevos espaciais dos parangolés de Oiticica e nos cinecromáticos de Palatnik.

Alexander S.C. Rower relata: “A visita do meu avó ao Brasil teve um impacto duradouro, tanto emocional como intelectual. Ele ficou fascinado pela exuberância e energia da cultura brasileira – ele amou especialmente o samba. No sentido inverso, seus móbiles cativaram os artistas brasileiros e a classe artística e sua influência é percebida até hoje. A exposição no Itaú Cultural apesenta esse fascinante diálogo – afirmando mais uma vez a afinidade de Calder com o espírito brasileiro"


Alexander Calder. Pináculos em Ascensão (1956). Chapa de metal pintado. Coleção RIM. Foto cortesia: Calder Foundation, New York / Art Resource, New York

O artista norte-americano realizou a sua primeira exposição no Brasil no final da década de 1940. Passados 13 anos, participou da segunda Bienal de São Paulo (1953) deixando influências diretas no imaginário poético no país. Sua relação com os arquitetos modernos foi próxima. Também com o crítico de arte Mario Pedrosa, que teve posição determinante para que se realizasse uma retrospectiva de Calder no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, em 1959. “A sua obra inscreveu-se na formação construtiva brasileira, misturando o lúdico e o geométrico e isso merece melhor avaliação histórica”, observa o curador. “É esta relação que pretendemos trabalhar nesta exposição.”

A mostra:
Calder e a Arte Brasileira, de acordo com Luiz Camillo Osorio, busca evidenciar essa relação e a sua disseminação no imaginário artístico brasileiro, além de mostrar importantes trabalhos da trajetória do norte-americano. “Apresentamos obras de alguns de nossos artistas que foram, direta ou indiretamente, marcados por ele”, diz o curador.

A relação geracional com a tradição concreta e neoconcreta, a vontade comum de concentração e expansão da forma abstrata – no plano pictórico e fora dele –, são conferidas no piso -2.

De Calder encontram-se ali, entre outras obras, guaches sobre papel, Sem título, de 1946, Composição, do mesmo ano e doada pelo artista ao MASP, em 1948. Elas figuram no mesmo espaço que Abraham Palatnik com Aparelho cinecromático, 1969/86, Objeto Cinético, 1986, e mais um de mesmo nome, de 1990/1991. Lygia Clark, entre outros brasileiros, está presente neste andar com o guache, nanquim e grafite sobre papel Composição, 1952. De Hélio Oiticica tem Mestaesquema, um de 1957, outro de 1958. Só para citar mais alguns, este andar comporta Ascenção (1959), de Willys de Castro e, ainda, Concreto 28, obra de Judith Lauand, de 1956.

Calder com Sem Título (1941) na exposição: Alexander Calder, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Brazil, 1948. Foto cortesia: Calder Foundation, New York / Art Resource, New York

No piso -1, a linha curatorial sugere o desdobramento subliminar da influência de Calder na arte contemporânea brasileira. “O ponto que cabe ressaltar aqui é a presença do corpo na ativação da forma, a incorporação do movimento e da geometria atravessados por um contexto social e cultural específico, onde passado e futuro se entrecruzam”, observa o curador. De Calder, estão ali, por exemplo, a maquete Brasília (c.a.1959), Móbile amarelo, preto, vermelho, branco, de 1946. Dos brasileiros, encontram-se dos Bichos de Lygia Clark (1920-1988), dos bilaterais e parangolés de Hélio Oiticica (1937-1980) às esculturas de Waltercio Caldas, de 1997 e 2002, NaveMeditaFeNuJardim, 2015, de Ernesto Neto e Catamarã Aéreo, 1997, de Carlos Bevilacqua.

Por fim, no primeiro andar, os móbiles desenham no espaço, desmaterializam-se, resistem à gravidade. Citando algumas das obras de Calder que ali convivem, estão Vermelho, Branco, Preto e Bronze, 1934, nunca antes exibida no Brasil, Digitais Escarlate, 1945 – obra de extrema importância que não é exposta há mais de 60 anos, nunca esteve no Brasil e sempre foi mantida com a família do artista –, Bosquet é o Melhor dos Melhores, 1946, Trinta e dois discos, 1951, exibida na Bienal de São Paulo, em 1953-1954. Elas dialogam com produções como O ar mais próximo, 1991, de Waltercio Caldas, Três Cassarinhos Vermelhos na Gaiola, 2010, de Franklin Cassaro, ou Sopro, 2000, de Cao Guimarães e Rivane Neuenschwander.

Serviço:
Calder e a Arte Brasileira
Abertura: 31 de agosto (quarta-feira), às 20h
Visitação: 1 de setembro a 23 de outubro