AGENDA DAS ARTES

Voltar

Bauhaus Imaginista: aprendizados recíprocos

Artistas: Vários

Curadoria: Marion Von Osten e Grant Watson

De 24/10 a 6/1

Sesc Pompeia Ver mapa

Endereço: Rua Clélia, 93, Pompeia

Telefone: (11)3871-7700

Com curadoria de Marion Von Osten e Grant Watson - e pesquisa curatorial de Luiza Proença -, a exposição itinerante "Bauhaus Imaginista: Aprendizado Recíproco", em cartaz no Sesc Pompeia entre os dias 24 de outubro e 6 de janeiro de 2019, se inspira no centenário da Bauhaus, fundada em 1919 na Alemanha - e fechada pelo regime nazista 14 anos depois -, para analisar a recepção internacional da inovadora escola de design, artes e arquitetura no contexto geopolítico, assim como seu alcance e influência a partir de diversas escolas e universidades para além da Europa. A entrada para a exposição é livre e gratuita.

Fotografia (detalhe) do arquivo de Hannes Meyer, do período em que esteve na União Soviética, sem data. © Hannes-Meyer-Archiv, DAM.

A mostra é dividida em quatro capítulos, em que cada museu e instituto de arte nas cidades de Nova Délhi, Quioto, Xangai, Moscou, São Paulo e Nova Iorque, irão apresentar uma parte de um todo que, por fim, se juntará em uma exposição na Casa do Mundo e Culturas (Haus der Kulturen der Welt- HKW) em Berlim no ano 2019. O Sesc Pompeia recebe o capitulo "Learning From" (Aprendendo Junto), resultado de um recém-renovado trabalho encomendado pelos curadores, além de documentos históricos sobre a escola e obras de mais de 30 artistas brasileiros e internacionais.

A mostra brasileira explora o papel desempenhado pela apropriação cultural, tanto no período da Bauhaus como no seu legado posterior, e investiga as relações entre arte e o artesanato populares e pré-coloniais com professores e estudantes emigrados da instituição. Os cerca de 300 trabalhos expostos – entre cerâmicas, desenhos, têxteis, utensílios populares, correspondências, vídeos, cartazes, fotografias, publicações e livro originais da biblioteca da escola – têm como ponto de partida a obra Tapete (1927), de Paul Klee, um pequeno desenho com tinta nanquim, que evidencia o interesse do artista alemão pelas artes decorativas e culturas populares tradicionais.

Paul Klee, Tapete (Carpet), 1927. Foto: Divulgação.

Na exposição, a trajetória de diversas instituições e artistas, localizados em diferentes regiões do globo, como Marrocos, EUA, México e Chile, tem seu desfecho na relação da escola alemã com o Brasil - sendo o ponto central do núcleo a arquiteta Lina Bo Bardi (autora do projeto do edifício do Sesc Pompeia). Em 1951, a arquiteta fundou com Pietro Maria Bardi e Jacob Rutchi, no Museu de Arte de São Paulo (MASP), o Instituto de Arte Contemporânea (IAC), primeira escola de desenho industrial do país, com conceito e atividades claramente influenciados pela Bauhaus. 

Para Bo Bardi, as artes manuais tradicionais, compreendidas como forma de inovação tecnológica surgida da mão do povo, deveriam formar a base do desenho industrial brasileiro - tendo formado uma grande coleção de utensílios da “cultura popular” para seus estudos, dos quais muitos vinham de feiras de rua, centros agrícolas e comunidades indígenas e afro-brasileiras, de diferentes cidades do nordeste do país, coletados principalmente na época em que foi diretora do Museu de Arte Moderna da Bahia. Além de uma pequena amostra destes objetos, está na exposição sua Cadeira de beira de estrada (1967).

Também estão na seção brasileira obras de artistas associados ao Grupo Frente, incluindo Lygia Pape, Lygia Clark e Hélio Oiticica, e trabalhos desenvolvidos na escola de arte do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM–RJ), criada em 1952 sob o comando de Ivan Serpa. Outro trabalho de destaque é a instalação criada por Paulo Tavares. Des-Habitat questiona o modo como a arte e o artesanato indígenas apareciam no discurso e no imaginário modernos na Habitat, revista de arte e design criada pela arquiteta Lina Bo Bardi em 1950.

Capa da revista Maghreb Art no. 2 (dedicada à arte popular), 1966. Foto: Divulgação.

Serviço
Exposição: "Bauhaus Imaginista: Aprendizados Recíprocos", com curadoria de Marion Von Osten e Grant Watson e pesquisa curatorial de Luiza Proença.
Datas e horários: Abertura dia 24 de outubro, às 20h. Em cartaz até 6 de janeiro de 2019. De terça a sexta, das 10h às 21h30; sábado, domingo e feriado, das 10h às 18h.
Local: Sesc Pompeia (área de convivência) | Rua Clélia, 93 – Pompeia, São Paulo.
Para agendamentos de grupos: escreva para o e-mail agendamento@pompeia.sescsp.org.br ou ligue para (11) 3871 7759.
Entrada livre e gratuita.