AGENDA DAS ARTES

Voltar

A “arte degenerada” de Lasar Segall: perseguição à arte moderna em tempos de guerra

Artistas: Lasar Segall

Curadoria: Helouise Costa e Daniel Rincon

De 25/11 a 30/4

Museu Lasar Segall Ver mapa

Endereço: Rua Berta, 111 - Vila Mariana

Telefone: (11) 2159-04000

O Museu Lasar Segall, em parceria com o MAC USP, apresentará a partir do dia 25 de novembro a exposição temporária "A 'arte degenerada' de Lasar Segall: perseguição à arte moderna em tempos de guerra". A curadoria é de Helouise Costa (MAC USP) e Daniel Rincon (MLS-IBRAM/MinC), com foco na história da perseguição à arte moderna empreendida pelos nazistas e suas repercussões no Brasil. A mostra fica em cartaz até 30 de abril de 2018, com entrada gratuita.

Lasar Segall, Homem e Mulher, 1917. Litografia sobre papel, 33 x 39 cm (Divulgação)

A atual mostra contará com cerca de 35 gravuras de Lasar Segall, que estiveram entre aquelas confiscadas de museus públicos alemães, na ação dos nazistas contra o que denominavam de “arte degenerada”, ou seja, obras de vanguarda e moderna consideradas como produtos de indivíduos doentios ou ideologicamente nefastos. Destaque à tela Eternos Caminhantes (1919), sobrevivente dos percalços a que muitas obras de vanguarda foram submetidas. Será apresentada, também, a documentação de duas obras do artista que foram destruídas.

O projeto de pesquisa que uniu as duas instituições teve início em 2015, com o intuito de marcar os 80 anos da mostra alemã de "Arte Degenerada", realizada em Munique, em 1937, que tinha como objetivo apresentar exemplos de expressões artísticas condenadas pelo regime. Buscava-se, assim, justificar o confisco e a destruição das obras, bem como a perseguição política aos artistas contrários ao regime. Entre os 112 artistas selecionados naquela ocasião estavam Marc Chagall, Max Ernst, George Grosz, Wassily Kandinsky, Paul Klee, Piet Mondrian e Lasar Segall.

A exposição "Arte Degenerada" (Munique-1937) teve desdobramentos concretos no Brasil, embora esse fato ainda seja pouco conhecido. A fim de contribuir com uma reflexão crítica sobre esse fenômeno, com embasamento histórico, a mostra atual dedicará uma seção à exposição "Arte condenada pelo Terceiro Reich", organizada em 1945 por Miécio Askanazy, judeu polonês que se refugiou no Rio de Janeiro, e fundou ali uma das primeiras galerias de arte moderna do Brasil. Entre seus colaboradores estava Lasar Segall, representado por duas pinturas: Sonho, 1941, óleo sobre tela, 40,5 x 31 cm; e Mãe cabocla, 1944, óleo sobre tela, 47,5 x 35,5 cm, ambas estarão presentes na atual mostra.

Para compreender o contexto do empreendimento de Askanazy, bem como o ataque aos artistas modernos, fará parte da mostra imagens produzidas pelo refugiado austríaco, Kurt Klagsbrunn, que registrou as manifestações antifascistas, realizadas no Rio de Janeiro, enquanto fotógrafo oficial da União Nacional dos Estudantes (UNE), além de documentos, matérias e charges veiculadas na imprensa no período.

Diante dos episódios recentes de censura à arte e intolerância à diversidade, esse projeto ganha uma inesperada atualidade e marca o posicionamento das duas instituições em prol da liberdade de pensamento e expressão.

Paralelamente à exposição haverá, ainda, dois ciclos de filmes relacionados ao tema, que serão exibidos no Cine Segall, cuja programação será divulgada em breve. Em abril de 2018, o MAC USP organizará em sua sede no Parque do Ibirapuera um seminário internacional, sobre a temática tratada na mostra. Na ocasião será lançado um catálogo, com destaque às três obras que pertencem ao acervo do MAC USP, e que estiveram na exposição alemã de 1937, são elas: Paul Klee, A Santa da Luz Interior, 1921, Litografia; Kathe Kölwitz, As mães, 1922, Xilogravura; Karl Schimidt-Rottluff, A mãe, 1916, Xilogravura.

Lasar Segall, Eternos Caminhantes, 1919. Óleo sobre tela, 138 x 184 cm (Divulgação)

Serviço
Exposição: "A 'arte degenerada'  de Lasar Segall: perseguição à arte moderna em tempos de guerra", com curadoria de Helouise Costa e Daniel Rincon.
Datas e horários: Em cartaz entre 25 de novembro de 2017 e 30 de abril de 2018. Diariamente, das 11h às 19h (fechado às terças).
Local: Museu Lasar Segall | Rua Berta, 111 - Vila Mariana, São Paulo.
Entrada livre e gratuita.
Seminário Internacional
Arte Degenerada-80 Anos: Contexto e Repercussões no Brasil
Local: Museu de Arte Contemporânea - Universidade de São Paulo | Av. Pedro Álvares Cabral, 1301- Parque do Ibirapuera, São Paulo.
Período: De 25 a 27 de abril de 2018.